Dor nas costas pode ter como causa bactéria









O que a dor nas costas e acne crônica têm em comum? Mais do que as pessoas pensam. Um grupo da Universidade do Sul da Dinamarca descobriu que a mesma bactéria que provoca acne pode ser a culpada por até 40% dos casos de dor lombar. Além disso, essas infecções, segundo os pesquisadores dinamarqueses, podem ser tratadas com antibióticos.

Os pesquisadores trabalharam com médicos em Birmingham, Inglaterra, e estudaram amostras de tecido extraídas de pacientes que sofrem de dor crônica nas costas. Eles descobriram que quase metade foram infectados por bactérias e que, cerca de 80%, foi pela bactéria Propionibacterium acnes, que comumente causam acne.

Eles também descobriram que a dor pode ser tratada com antibióticos. Em um artigo publicado no European Spine Journal, os pesquisadores mostraram que um tratamento de 100 dias com antibióticos reduziu a dor em 80% dos pacientes. "Os resultados são indiscutíveis", disse Manniche. "Aqueles que receberam o remédio durante três meses melhoraram de forma significativa vários fatores, como: nível de dor, funcionalidade e capacidade de trabalho".

Essa descoberta poderia abrir novas e mais baratas opções de tratamento para pacientes que sofrem de dor lombar, embora nem todos irão se beneficiar do tratamento. "Isso não vai ajudar pessoas com dor nas costas aguda ou sub-aguda - apenas aqueles com dor lombar crônica", disse Hanne Albert, outro pesquisador da equipe, ao jornal The Guardian.

Apesar disso, Peter Hamlyn, um cirurgião da Universidade de Londres, disse que o tratamento poderia ser uma alternativa para um grande número de doentes. "Isso é grande", disse Hamlyn ao The Guardian. "Estamos falando, possivelmente, em metade de todas a cirurgias de coluna para dor lombar sendo substituída por antibióticos”.

Considerando o grande número de pessoas que são afetadas pela dor lombar crônica, e os custos com o seu tratamento, esta descoberta está sendo considerada candidata ao Prêmio Nobel. A pesquisa tem sido comparada à descoberta da bactéria culpada pela úlcera de estômago, a Helicobacter pylori.

LADO NEGATIVO

Infelizmente, há um lado negativo. Os antibióticos têm apresentado grandes resultados na cura de várias doença, mas as bactérias estão se tornando resistentes mais rapidamente do que a capacidade do ser humano em produzir novas fórmulas. É uma corrida armamentista e o homem está perdendo. As empresas farmacêuticas não podem visar nenhum lucro com o desenvolvimento de novas drogas. E assim, para agravar ainda mais a situação, existe cada vez menos antibióticos sendo criados a cada ano.

Murilo Daher, médico goiano, ortopedista especialista no tratamento de doenças da coluna, vê o resultado do estudo com ressalvas. Ele afirma que seria uma mudança no paradigma do tratamento e diagnóstico da dor lombar, e que como toda descoberta na medicina, precisaria ser comprovada por outros estudos, antes de poder ser utilizada na prática clínica do dia a dia. Segundo ele, o que se divulgou “são estudos preliminares que precisam ser melhores avaliados para não causar falsas expectativas”.

A dor nas costas, especialmente a da região lombar, é um problema de saúde pública pela grande incidência na população e pelos altos custos com seu tratamento. A grande dificuldade em se tratar a queixa, segundo doutor Murilo Daher, é a mesma que se tem em se estabelecer um diagnóstico etiológico específico.

"Muitas vezes os exames de imagem, como a ressonância magnética, apesar de sofisticados, evidenciam alterações que podem ser normais do envelhecimento humano, e nem sempre se pode estabelecer uma relação direta entre essas alterações e os sintomas do paciente. Quando esse diagnóstico fica claro, o tratamento é mais fácil, por exemplo, no caso de uma compressão nervosa por uma hérnia de disco. Além disso, nos últimos anos houve grandes avanços no tratamento cirúrgico dessas doenças, com procedimentos cada vez mais seguros e menos agressivos (minimamente invasivos), com resultados cada vez melhores", explica o médico ortopedista.

COMENTE ESSE POST

Compartilhe no Google +

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!