Dor nas costas pode ter como causa bactéria



O que a dor nas costas e acne crônica têm em comum? Mais do que as pessoas pensam. Um grupo da Universidade do Sul da Dinamarca descobriu que a mesma bactéria que provoca acne pode ser a culpada por até 40% dos casos de dor lombar. Além disso, essas infecções, segundo os pesquisadores dinamarqueses, podem ser tratadas com antibióticos.

Os pesquisadores trabalharam com médicos em Birmingham, Inglaterra, e estudaram amostras de tecido extraídas de pacientes que sofrem de dor crônica nas costas. Eles descobriram que quase metade foram infectados por bactérias e que, cerca de 80%, foi pela bactéria Propionibacterium acnes, que comumente causam acne.

Eles também descobriram que a dor pode ser tratada com antibióticos. Em um artigo publicado no European Spine Journal, os pesquisadores mostraram que um tratamento de 100 dias com antibióticos reduziu a dor em 80% dos pacientes. "Os resultados são indiscutíveis", disse Manniche. "Aqueles que receberam o remédio durante três meses melhoraram de forma significativa vários fatores, como: nível de dor, funcionalidade e capacidade de trabalho".

Essa descoberta poderia abrir novas e mais baratas opções de tratamento para pacientes que sofrem de dor lombar, embora nem todos irão se beneficiar do tratamento. "Isso não vai ajudar pessoas com dor nas costas aguda ou sub-aguda - apenas aqueles com dor lombar crônica", disse Hanne Albert, outro pesquisador da equipe, ao jornal The Guardian.

Apesar disso, Peter Hamlyn, um cirurgião da Universidade de Londres, disse que o tratamento poderia ser uma alternativa para um grande número de doentes. "Isso é grande", disse Hamlyn ao The Guardian. "Estamos falando, possivelmente, em metade de todas a cirurgias de coluna para dor lombar sendo substituída por antibióticos”.

Considerando o grande número de pessoas que são afetadas pela dor lombar crônica, e os custos com o seu tratamento, esta descoberta está sendo considerada candidata ao Prêmio Nobel. A pesquisa tem sido comparada à descoberta da bactéria culpada pela úlcera de estômago, a Helicobacter pylori.

LADO NEGATIVO

Infelizmente, há um lado negativo. Os antibióticos têm apresentado grandes resultados na cura de várias doença, mas as bactérias estão se tornando resistentes mais rapidamente do que a capacidade do ser humano em produzir novas fórmulas. É uma corrida armamentista e o homem está perdendo. As empresas farmacêuticas não podem visar nenhum lucro com o desenvolvimento de novas drogas. E assim, para agravar ainda mais a situação, existe cada vez menos antibióticos sendo criados a cada ano.

Murilo Daher, médico goiano, ortopedista especialista no tratamento de doenças da coluna, vê o resultado do estudo com ressalvas. Ele afirma que seria uma mudança no paradigma do tratamento e diagnóstico da dor lombar, e que como toda descoberta na medicina, precisaria ser comprovada por outros estudos, antes de poder ser utilizada na prática clínica do dia a dia. Segundo ele, o que se divulgou “são estudos preliminares que precisam ser melhores avaliados para não causar falsas expectativas”.

A dor nas costas, especialmente a da região lombar, é um problema de saúde pública pela grande incidência na população e pelos altos custos com seu tratamento. A grande dificuldade em se tratar a queixa, segundo doutor Murilo Daher, é a mesma que se tem em se estabelecer um diagnóstico etiológico específico.

"Muitas vezes os exames de imagem, como a ressonância magnética, apesar de sofisticados, evidenciam alterações que podem ser normais do envelhecimento humano, e nem sempre se pode estabelecer uma relação direta entre essas alterações e os sintomas do paciente. Quando esse diagnóstico fica claro, o tratamento é mais fácil, por exemplo, no caso de uma compressão nervosa por uma hérnia de disco. Além disso, nos últimos anos houve grandes avanços no tratamento cirúrgico dessas doenças, com procedimentos cada vez mais seguros e menos agressivos (minimamente invasivos), com resultados cada vez melhores", explica o médico ortopedista.

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Dicas para não ter dor na coluna



Sentar-se com conforto

Apoie as costas no encosto da cadeira, de maneira que os joelhos fiquem acima do nível do quadril e os pés fiquem bem apoiados no chão. Se possível, use ainda apoio para os pés e prefira cadeiras com braços, pois não forçam a coluna e facilitam o ato de levantar.

Divisão de peso

Na hora de carregar bolsas, malas e pacotes, divida os pesos igualmente nos dois lados do corpo. Levar tudo em um dos braços pode trazer complicações e dores na coluna.

Levantamento de objetos

Para levantar qualquer objeto do chão, dobre os joelhos (fique de cócoras). Assim o peso será absorvido pelos músculos das pernas e não pela coluna vertebral. Jamais curve apenas as costas para alcançar e levantar qualquer objeto, mesmo os mais leves.

Entrar e sair do carro

Tanto para entrar como para sair do automóvel fique sentado, gire as pernas e o tronco ao mesmo tempo (para dentro ao entrar; para fora ao sair do veículo). É importante evitar torcer as costas.

Máximo alcance

Use banco ou escada sempre que o objeto estiver numa altura acima de sua cabeça. Nunca estique as pernas nem force a coluna para alcançar o que deseja.

Bem-vestido
Vista as roupas sentado. Sua coluna agradece. Calçar meias e sapatos e mesmo vestir uma calça em pé, dobrando-se para frente, pode causar dores nas costas e na região lombar, devido à torção que a coluna precisa realizar.

Tratamentos

É comum utilizar – e até abusar – de analgésicos, anti-inflamatórios e relaxantes musculares quando se trata de dores nas costas. Muitas vezes um desses medicamentos pode bastar para conter a dor. Entretanto, o indicado é sempre procurar um especialista: a dor pode esconder algum problema mais sério e, em todos os casos, descobrir sua origem é fundamental para evitar o agravamento da condição.

As pessoas são muito mal orientadas em relação à coluna e seus problemas e não sabem como se cuidar. Parte desse trabalho de conscientização será fazer com que as pessoas entendam a importância de não se contentar só em fazer a dor parar num momento de crise. Muitos pacientes tomam um remédio e, ao melhorar, não voltam para fazer o tratamento, que em alguns casos requer o acompanhamento de equipes especializadas em coluna e reabilitação.

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Fatores de risco que causam dores na coluna


Há alguns fatores de risco que colaboram para causar dores na coluna:

Excesso de peso
É o maior inimigo da coluna. Como explica o dr. Goldenberg em seu livro, ao aumentar 10 quilos do peso adequado, o risco para a coluna aumenta em 25%.

Sedentarismo

A coluna agradece a prática de exercícios. Vários fatores fazem das atividades físicas grandes colaboradoras do corpo. Entre eles: fortalecimento muscular, aumento da flexibilidade e melhora da irrigação sanguínea das fibras musculares da região dorsal.

Carregar peso de forma excessiva

Apoiar bolsas ou sacolas pesadas em um só lado do corpo pode agravar as dores na coluna.

Cigarro

Tem substâncias que prejudicam a circulação sanguínea. A menor irrigação dos vasos nos discos vertebrais que protegem a coluna faz com que esses percam a maleabilidade. Como sua função é absorver os impactos que a coluna sofre no dia-a-dia, é como se ficássemos sem nosso “amortecedor” natural.

Idade

É o único fator de risco que não pode ser alterado. As pessoas com mais de 60 anos têm mais chances de sofrerem de dores na coluna. O que pode ser feito é desenvolver a consciência corporal ao longo da vida.

Falta de consciência corporal

Saber como levantar da cadeira e da cama, como se sentar adequadamente, como se vestir e até escovar os dentes e cortar os alimentos fazem parte da consciência corporal.

Reeducação Postural

Adotar hábitos de vida saudáveis, como praticar atividades físicas, manter o peso adequado e não fumar colaboram para a saúde da coluna. Entretanto, boa parte das dores é causada por problemas de postura incorreta. Nesses casos, além dos hábitos saudáveis é preciso se valer da reedução postural.

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Como aplicar frio e calor para a dor de costas


Pelo menos uma vez na vida todos nós sofremos uma dor de costas. A

A dor de costas pode ser resultado da atividade física, lesões, osteoporose, artrites ou outras questões estruturais e de algumas condições médicas, tais como o câncer na coluna vertebral. Aplicar gelo ou calor nas costas pode oferecer um alívio temporário das dores nas costas. O frio do gelo pode reduzir a inflamação, enquanto que o calor pode reduzir os sintomas de dor e aumentar a circulação do sangue. Se os sintomas não aliviam depois de uns dias de terapia de frio e calor, procure ajuda médica.

Instruções

Envolva uma toalha numa bolsa com gelo ou uma compressa fria e aplique nas suas costas. Isto deve ser feito assim que sente a dor nas costas, ou seja o mais rápido possível depois de sentir dor.

Use uma bolsa de gelo durante 15 minutos. Use a terapia de frio quantas vezes for necessário durante todo o dia para ajudar a sua dor de costas.

Aplique uma compressa quente ou uma almofada térmica para ajudar a relaxar os músculos das costas. A utilização de calor deve ser feita no máximo por 10 minutos. Envolva a sua almofada térmica numa toalha, caso tenha uma. Isto evitará queimaduras.

Molhe as costas em água morna caso possa. Os banhos com água morna podem ajudar a aliviar a tensão muscular.

Se deseja ler mais artigos parecidos a como aplicar frio e calor para a dor de costas, recomendamos que entre na nossa categoria de Costas e dor de pescoço.

Conselhos

A terapia de calor deve ser feita um par de dias depois da aplicação de gelo nas costas.

Evite dormir com a almofada elétrica, isto pode resultar num dano nervoso ou na pele


0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Abusar do silicone pode provocar dores na coluna, pescoço e até estrias




Não tem como negar. Para as mulheres (e também para muitos homens), os seios são um símbolo de beleza e sexualidade. Com o passar dos anos, o avanço da medicina e da tecnologia fez com que as mulheres pudessem escolherem até mesmo seu "modelo de seio". E hoje é mais fácil reduzir e aumentar as mamas, mas é necessário tomar cuidado com o "procedimento" e exageros.

A preocupação em ter um seio bonito ultrapassou até o interesse pelo tamanho do bumbum, segundo a psicóloga e sexóloga Ana Canosa, da Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana.

— Os seios são o símbolo que faz a mulher se sentir bonita e sexy. Mais que o bumbum até. Houve uma mudança da perspectiva com a própria moda e a invasão do silicone. Hoje, a cirurgia ficou mais acessível e o silicone veio para ajudar as mulheres com seio pequeno e até quem precisa fazer reconstrução.

O cirurgião plástico Mauro Speranzini, da SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica), explica que o papel da cirurgia plástica é fazer a mulher "se sentir melhor e aumentar sua autoestima". Porém, elas devem tomar cuidados especiais sobretudo com o tamanho escolhido.

— Há mulheres que não têm nada, que têm o tórax parecido com de um homem. Em relação ao tamanho, não se deve buscar seios que servem para chamar atenção de outras pessoas, como por exemplo, ter mamas grandes com o intuito de aparecer na mídia. Mamas grandes podem provocar problema de coluna, na região torácica e no pescoço.

Além disso, para o cirurgião Ruben Ribeiro Penteado, também membro titular da SBCP, quando o tamanho "passa do limite", a prótese pode forçar a pele e até a cicatriz  que se forma pós cirurgia.

— As primeiras consequências são estrias e flacidez. Aumenta-se também a possibilidade de os seios caírem e, assim, perder o resultado da cirurgia. Há casos em que o organismo acaba expulsando a prótese para fora do corpo. Isso acontece porque quanto mais "forçada" estiver a região, mais o organismo vai reagir contra aquilo. É algo completamente antinatural.

Tamanho ideal

Speranzini ainda explica que não há como "computar" qual seria o tamanho ideal para não passar para o "exagero". Segundo ele, tudo depende "do corpo da mulher".

— A escolha do tamanho da prótese depende do tamanho da mama que a mulher já tem. Depende também da relação peso e altura por exemplo, mulheres baixas não podem por uma prótese muito grande. Além disso, o desenho do tórax também conta. Se for achatado, pode colocar um pouco maior. Já para quem tem o tórax mais convexo, colocar uma prótese pequena já aumenta bem. Mamas de até 400 ml não darão problema.

A psicóloga e sexóloga afirma que as mulheres podem ser divididas em "dois perfis". O primeiro deles são as "mulheres do tipo fruta que usam os seios para chamar atenção".

—Esse primeiro grupo usa as mamas como primeiro cartão de visita. Porém, elas [mulheres que usam os seios para aparecer na mídia] correm o risco do seio não acompanhar a evolução do corpo. Já o segundo grupo é das mulheres que buscam a aparência mais natural dos seios como uma maneira de ser mais sensual.

Grande ou pequena, para muitas mulheres "mama é mais importante que carteira de identidade", de acordo com o cirurgião plástico do hospital Albert Einstein Pedro Vital.

— Com a iniciação sexual, as meninas já começam a competir entre si na questão do tamanho dos seios. Porém, quando há a vontade de por a prótese, é necessário pontuar o que pode ou não ser feito.

Vanessa Sulina, do R7

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!