Dormir em um bom colchão e travesseiro previne dor nas costas








Um terço da sua vida é gasto dormindo, sobre o colchão. Por isso, prestar atenção onde você passa a noite é fundamental para evitar dor nas costas e problemas de saúde. Cuidar do travesseiro e da posição em que você deita também é importante.

Peso, altura e o jeito de dormir de cada pessoa contam na hora de escolher um bom colchão e um ou mais travesseiros. Para comentar esse assunto, o Bem Estar desta sexta-feira (5) convidou o ortopedista Ivan Rocha, do Hospital das Clínicas de São Paulo. O médico participou ao lado do preparador físico José Rubens D'Elia, responsável por passar uma série de exercícios para prevenir a dor na coluna cervical e lombar, no pescoço e nos ombros.

Colchão (Foto: Arte/G1)

Quem dorme oito horas por dia passa quase três mil horas por ano na cama. Indivíduos que preferem deitar na rede passam muito tempo numa única posição, pois não conseguem se virar direito. Além disso, a forma em "V" concentra o peso nos quadris e na lombar, e a única vantagem é a elevação dos pés, o que pode reduzir eventuais inchaços e facilitar a respiração. Dormir no sofá ou em sofá-cama também não é a melhor solução e deve ser temporário, durante um breve cochilo.

Não se deve sentir vergonha de experimentar um colchão novo na loja. É preciso deitar nele, senti-lo nas mais diversas posições e considerar as características individuais de quem vai usá-lo, como tamanho do pescoço, altura do ombro e do quadril. Veja, ainda, se o material não causa nenhum tipo de incômodo, se não se deforma com facilidade e se as bordas não afundam.

É importante, ainda, que o parceiro ou a parceira esteja presente nessa ocasião, pois nem sempre o mesmo colchão vai agradar aos dois.

Ao deitar em um colchão, seja de lado ou de barriga para cima, a coluna deve permanecer alinhada e não pode haver dor nos quadris, ombros, coluna lombar ou cervical. A bacia também não deve ficar nem muito afundada nem levantada. E o colchão não pode ceder com facilidade. Para quem deita de frente, um travesseiro embaixo dos joelhos ajuda a alinhar o corpo.

Os fabricantes recomendam trocar o colchão de espuma a cada 5 anos e o de mola, a cada 10. Um travesseiro dura, em média, dois anos, mas depende do uso. É importante que o material não afunde muito ao longo da noite. E lembre-se de que tanto o travesseiro quanto o colchão têm vida útil e devem ser substituídos regularmente.

Ao analisar seu colchão, se houver abaulamentos ou afundamentos, infelizmente a hora da troca já passou faz tempo. Uma das maneiras mais fáceis de verificar se ele ainda está bom é experimentando um novo. Assim, você poderá compará-lo com o antigo.

Para dormir bem, também é fundamental que haja rotina. O local deve ser adequado e precisa haver uma desaceleração das atividades, para que o corpo comece a relaxar a ponto de conseguir pegar no sono.

No estúdio, o ortopedista destacou que o frio pode piorar a dor nas costas, principalmente ao acordar. Mas, à medida que o corpo se aquece, o desconforto costuma diminuir. Uma dica é acertar sempre a postura, não só à noite, mas também durante o dia, no trabalho e nas atividades em geral.

COMENTE ESSE POST

Compartilhe no Google +

Um comentário:

  1. A maioria das dores nos músculos e articulações (coluna, pescoço, braços e pernas) tem origem mecânica, ou seja, provocado por um movimento ou posição. Se você pensou na má postura, no desconhecimento da ergonomia, no carregar um objetivo pesado ou realizar movimentos repetitivos, está corretíssimo. Um tratamento eficaz passa pela abordagem profunda e essencial dos fatores de risco e agravantes dos sintomas na coluna e extremidade. Dr. Abnel Alecrim, Fisioterapeuta, Campinas, SP. Site: (www.pensandosaude.com.br), página no Facebook (http://www.facebook.com/Fisioterapia.Campinas).

    ResponderExcluir

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!