Tratamento completo para Estenose Lombar

O tratamento conservador não interfere na história natural desses quadros avançados de degeneração do segmento lombar. Entretanto, pode trazer benefícios como alívio dos sintomas em pacientes com queixas leves ou intermitentes que não têm prejuízo significativo na atividade funcional.

O tratamento conservador consiste no uso de medicações para controle da dor, como analgésicos, AINH e relaxantes musculares. Fisioterapia analgésica pode desempenhar papel adjuvante no controle da dor. Exercícios para fortalecimento da musculatura do tronco e educação postural podem melhorar a capacidade funcional do paciente e devem ser associados com exercícios de condicionamento cardiorrespiratório.

Bloqueio epidural com corticoides promove alívio temporário dos sintomas e deve ser considerado em pacientes idosos que têm riscos muito elevados para tratamento cirúrgico.

Pacientes com sintomas severos e limitação importante nas atividades funcionais pela claudicação neurogênica, ou aqueles que não obtiveram alívio com tratamento conservador, devem ser considerados para tratamento cirúrgico. Pacientes que apresentam déficit neurológico progressivo durante evolução do quadro também devem ser submetidos a tratamento cirúrgico.

O objetivo do tratamento cirúrgico é a descompressão dos elementos neurais comprimidos. Pacientes cujo sintoma principal seja claudicação neurogênica sem lombalgia significativa podem ser beneficiados com descompressão seletiva isolada (laminectomia parcial ou laminotomia). Descompressão maior (laminectomia total) está indicada nos casos em que o saco dural não pode ser descomprimido suficientemente ou quando há estenose foraminal associada e os forames precisam ser abordados. Entretanto, laminectomia total pode produzir instabilidade no segmento abordado, sendo necessária associação de artrodese ao procedimento.

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Quando consultar um neurocirurgião ? Quem trata dor na coluna ?


O neurocirurgião trata de diversas doenças que acometem o sistema nervoso central e periférico. Os sintomas neurológicos mais comuns são os que seguem:

Cérebro: Neurocirurgia, dor de cabeça, dor de coluna.
dor de cabeça (cefaléia),
dores na coluna (lombalgia, cervicalgia...)
desmaios e crises epilépticas (epilepsia),
formigamentos (parestesias) e outras alterações da sensibilidade,
perda de força (paralisias, plegia ou paresia),
• alterações visuais (perdas visuais, visão dupla, pontos luminosos) e alterações da fala (gagueira, afasia),
• alterações do estado mental (confusão, agitação), perda de memória,
tonturas, alterações do equilíbrio e marcha,
• movimentos involuntários (tremores, tics),
• distúrbios do sono (falta de sono ou sono em excesso),
• déficit de atenção,
• alteração do humor (irritabilidade, depressão),
• ansiedades (medos, fobias, pânico, preocupações excessivas).


A avaliação do neurocirurgião é sempre importante para descartar a possibilidade de tratamento cirúrgico de algumas doenças. Feito isso, o seguimento de algumas doenças pode ser realizado por outros especialistas como o neurologista, reumatologista, endocrinologista, otorrinolaringologista, entre outros.
A neurocirurgia pode ser dividida em grandes áreas, de acordo com as doenças que seguem:

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Saiba como aliviar as dores na coluna com exercícios e alongamento



Estou tento um problema um pouco sério com a coluna, pois trabalho muito tempo sentada à frente do computador. Sem um alinhamento correto de poltrona, cotovelo na linha do teclado e monitor na linha dos olhos. E tudo isso me resultou numa lesão na coluna. O médico não me disse bem que lesão era essa, mas todos os sintomas indicam que é hérnia de disco.



Agora trabalho a base de anti-inflamatórios e analgésicos a espera de uma melhor avaliação do médico para o meu tratamento.

Acredito que esse seja o problema de muitos que trabalham sentados, principalmente no computador. Pensando nisso, vou citar alguns exercícios e alongamentos que você pode fazer mesmo sentado, para evitar estas dores e não ficar igual eu. Claro que nenhum exercício substitui a caminha, a flexão (ajuda a fortalecer as costas, o peito, os braços...) e a corrida, mas evita o D.O.R.T. (Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho).



Primeiro passo: Sentar-se corretamente

Procure manter uma postura adequada e, se possível, use uma cadeira confortável. Suas costas devem ficar retas, seus ombros devem ficar para trás e o topo do seu monitor deve estar nivelado com os seus olhos. Procure também apoiar seus pulsos de forma que fique uma linha reta entre seu braço e costas da mão – isto ajuda a evitar a síndrome do túnel carpal. Mantenha suas pernas dobradas nos joelhos de modo que seus joelhos fiquem apenas levemente acima da linha da sua cintura. Os pés devem ficar plantados no chão, de preferência apoiado em algum tipo de apoio específico para os pés.



Segundo passo: Exercícios de alongamento

Pescoço: para alongar o pescoço, flexione a cabeça para frente e para trás, de um lado a outro, e vire a cabeça para esquerda e direita. Isto pode ser feito a qualquer momento para diminuir a tensão. Nunca faça movimentos circulares com sua cabeça; isto pode causar danos às juntas do pescoço.

Ombros: Role seus ombros para frente umas 10 vezes e depois repita para trás. Isto ajuda a liberar a tensãos dos seus ombros.

Pulsos: Role seus pulsos regularmente a cada hora. Faça movimento circular em sentido horário 10 vezes, e em seguida repita em sentido anti-horário. Isto ajuda a evitar o L.E.R. (Lesão por Esforço Repetitivo ou Tendinite) de pulso.

Tórax: Se você tem tendência a se debruçar na frente do teclado, utilize este exercício para tirar a tensão do tórax. Abra seus braços como se fosse abraçar alguém, gire seus pulsos para que os dedões apontem pra cima e depois pra baixo. Agora tente jogar seus ombros para trás até o máximo possível sem que doa demais (vá devagar!). Este exercício move seu corpo na direção contrária da sua debruçada e você deve sentir um alívio no tórax.

Abdômen: Contraia seus músculos abdominais e glúteos, segure por alguns segundos e em seguida solte. Repita isto várias vezes durante o dia.

Panturrilhas: Enquanto estiver sentado, levante e abaixe seus pés na base dos dedos (como se estivesse usando um salto-alto). Repita até ficar confortavelmente cansado. Repita 10 minutos mais tarde e continue fazendo este exercício durante uma hora. Isto vai exercitar a batata da perna e ajuda a prevenir coágulos sanguíneos de se formarem em suas pernas, comum entre usuários de computador de meia-idade.


Terceiro passo: Dê umas voltas

A cada meia hora, procure dar uma levantada e ande um pouco pela sala – nem que seja só até o bebedouro ou o banheiro. Isto vai ajudar na sua circulação sanguínea nas pernas e braços, eliminando aquela tensão que se dá por ficar muito tempo sentado. Se você puder tirar pausas maiores, dê uma volta maior em torno da quadra e use as escadas (em vez do elevador) para descer. Além de fazer suas pernas voltarem à ativa, você também poderá respirar um pouco de ar fresco.

 Além destes exercícios, uma coisa que tem dado bastante resultado pra mim é a compressa de água quente. Ela ajuda a aliviar a tensão quando está mais aguda. Faça isso com uma bolsa d'água de 15 a 20 minutos. Mas uma coisa muito importante na hora de fazer isso: nunca faça de barriga pra baixo nem deitada de barriga pra cima. Sempre com a coluna reta. Senão não irá adiantar.

Algumas posições para alongar




Ajuda bastante.
Espero ter ajudado. E tomem cuidado com a coluna. Ela é importante ;)

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Dormir 10 horas por dia combate mais a dor do que analgésicos


  Os cientistas estudaram 18 voluntários durante quatro noites  Foto: Ana Branco/02-08-2012

Os cientistas estudaram 18 voluntários durante quatro noites Ana Branco/02-08-2012

RIO - Cientistas dizem que 10 horas de sono por noite, ao contrário das recomendadas oito, é mais eficaz na redução de dores do que analgésicos. É que garantem pesquisadores do Hospital Henry Ford, nos Estados Unidos.

Os cientistas estudaram 18 voluntários durante quatro noites e descobriram que as pessoas com mais horas de sono são capazes de manter o dedo sobre um fonte de calor por 25 segundos a mais do que os que dormem segundo o padrão. Os resultados foram ainda mais benéficos em relação a estudo anterior com indivíduos que ingeriram 60mg de codeína, conhecido analgésico

Os resultados, combinados com dados de pesquisas anteriores, sugerem que sensibilidade à dor em pessoas cansadas se deve à sonolência.

— Nossos dados sugerem a importância de um sono adequado para diversas condições de dor crônica ou em preparação para procedimentos cirúrgicos — disse Timothy Rogers, um dos autores do estudo, ao jornal britânico The Daily Telegraph. — Ficamos surpresos com a magnitude da redução de sensibilidade às dores, quando comparadas à redução gerada pela codeína.

Estudos anteriores sugeriram que a falta de sono está ligada à dor crônica em mulheres. Pesquisadores da Universidade de Ciência e Tecnologia de Trondheim, na Noruega, por sua vez, concluíram que mesmo os que tinham pequenos problemas com sono já apresentavam o dobro de risco para dores. Para completar, dois terços das pessoas com dor crônica nas costas também sofriam com distúrbios para dormir.

Pesquisadores do Hospital Henry Ford, no entanto, garantem que o estudo mais recente foi o primeiro a sugerir que o sono prolongado em voluntários privados pode diminuir a sensibilidade à dor.


0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Correr com orientação adequada diminui a dor nas costas


A dor nas costas é um termo popular para um trio de problemas bem conhecido da Medicina: a lombalgia, a cervicalgia e a dorsalgia. O nome identifica a região das costas em que o desconforto aparece: na coluna lombar (área mais baixa, próxima ao quadril); na coluna cervical (região do pescoço) ou na coluna dorsal (o meio da coluna,respectivamente.

Dependendo da região das costas e da gravidade do problema, ele chega a gerar incapacidade funcional. Cerca de 80% da população, em todo o mundo, já teve ou irá ter dor nas costas ao longo da vida segundo a Organização Mundial da Saúde. O número só vem atrás do total de vítimas de dor de cabeça.

Praticada com acompanhamento adequado, a atividade física age de forma preventiva. Isso porque ela fortalece os músculos que dão sustentação à coluna e combate a obesidade (que exige demais do esqueleto).

Mas a falta de orientação pode transformar até os atletas saudáveis em alvo de algum problema nas costas. Excesso de peso, excesso de gordura abdominal, flacidez abdominal, encurtamento da musculatura posterior das pernas, encurtamento e/ou fraqueza da musculatura lombar e movimentos bruscos são as causas mais comuns de problemas de coluna entre os praticantes de corrida.

O uso de tênis e palmilhas inadequados também favorece o mal. Para se prevenir, alongue bastante os músculos atrás da coxa e das costas, na região lombar. E faça abdominais, porque é a musculatura desta região é importante na sustentação e estabilidade durante seus treinos de corrida, diminuindo a sobrecarga na musculatura lombar e paravertebral (todos os músculos em volta da coluna dorsal).


0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Dor na coluna e desânimo pode ser culpa do travesseiro


Dores na coluna, no pescoço, torcicolo, cansaço. O travesseiro errado pode ser o culpado por esses e outros incômodos, sobretudo os que aparecem logo depois de despertar. Foi isso que descobriu uma pesquisa recente feita no Hannover Medical School, na Alemanha, e publicada no jornal científico International Journal of Rehabilitation and Research.

Os médicos convidaram 149 pessoas que sofriam com dores na coluna cervical para fazer um teste, divididas em dois grupos: um deles substituiu o travesseiro, o outro continuou com o de costume. Depois de um ano, o primeiro grupo deixou de sentir os tais desconfortos na região do pescoço e passou a acordar mais descansado também.

O acessório errado em alguns casos provoca, também, dormência nas mãos. "Muita gente acorda e acha que aquela formigação súbita é sinal de um infarto ou um derrame, quando não passa de um reflexo de dor no pescoço", explica o ortopedista Sérgio Augusto Xavier, do Hospital do Coração de São Paulo. A longo prazo, o uso inadequado do travesseiro causa até dor crônica nas costas, artrose - pequenos desgastes nas vértebras - e desvio da coluna.

Todo esse desconforto reflete também no dia a dia. Em geral, as dores causadas pelo mau uso do travesseiro fazem com que a pessoa acorde com aquela sensação de que não dormiu nada, que não descansou. É bom lembrar, no entanto, que esses sintomas são também muitas vezes causados por outros fatores como genética, erros de postura, obesidade, falta de atividade física e movimentos repetitivos.

"Todos devem buscar um lugar agradável e confortável para dormir, principalmente quem tem insônia. Isso é parte de uma boa higiene do sono", ensina o neurologista e presidente da Associação Brasileira do Sono, Luciano Ribeiro Pinto Júnior. Além disso, para evitar noites mal dormidas, é bom observar o tipo de colchão, um item que precisa ser trocado a cada cinco anos. "Ele não pode ser nem muito mole, nem muito duro. É preciso enxergar a coluna reta quando a pessoa estiver deitada de lado", diz o ortopedista Alexandre Fogaça, especialista em coluna do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. "O ideal é dormir de lado, pois assim a coluna permanece alinhada. As pernas ficam dobradas, com os joelhos flexionados, em posição fetal, o que ajuda a aliviar a tensão da lordose lombar - aquela curvatura logo acima do quadril", completa Sérgio Augusto Xavier.

Dormir sem o travesseiro é tão ruim quanto usar o errado. Ele força ainda mais a coluna, deixando um vão entre os ombros e o colchão. As pessoas que tem problemas para respirar ou refluxo, por exemplo, devem optar por modelos que mantenham o corpo mais elevado, para evitar um mal estar durante a noite. Basicamente, o mais importante é saber se o modelo escolhido ajuda a relaxar e não força a coluna, mas do que ele é feito também é um dos pontos a ser considerado. Quem tem alergia deve buscar tipos específicos. É preciso que o material permita ventilação, principalmente para quem transpira muito durante a noite. Travesseiro também tem prazo de validade: de um a dois anos.

 

Como escolher o travesseiro

A opção deve ser feita de acordo com a posição durante o sono

 
Quem dorme de lado precisa de um modelo nem muito alto nem muito baixo, que preencha a distância entre o ombro e o rosto
De barriga para cima, o travesseiro deve ser um pouco mais baixo para que a cabeça não fique muito elevada
Não há travesseiro apropriado para os que dormem de bruços. O ideal é tentar policiar-se para dormir em outra posição
Para quem se mexe muito durante o sono, o mais adequado é um travesseiro flexível, que se adapte às várias posições

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Medidas simples são essenciais para a prevenção da dor nas costas

 A medicina tem avançado bastante, mas a forma com que as pessoas exercem suas atividades do dia a dia, em soma ao equilíbrio físico e emocional, ainda é a melhor receita para evitar a dor nas costas - segunda causa mais frequente de procura por consulta médica.

 A região da coluna é o centro de equilíbrio do nosso corpo, afetando e sendo afetada em todos os movimentos que realizamos. Desta maneira, todas as atividades realizadas envolvem esta estrutura e devem receber atenção para evitar lesões, entorces e desencadeamento de crises dolorosas. Então, porque esperar para tratar complicações se podemos, antes, evitá-las? Compartilho algumas dicas que são de grande valia.

Carregar mochilas: Evite carregar mochilas mais pesadas em um só ombro. Carregue nos dois e se possível use aquelas que têm um cinto para fixação no corpo, na cintura. Desta forma você vai equilibrar o peso e manter o eixo da coluna ereto.

Malas: utilize as que possuem rodinhas e puxador rente à mão. Além de mais confortáveis, evitam o sobrepeso e a má postura.

Pacotes e sacolas: divida-os entre as duas mãos, evitando sobrecarga para apenas um lado do corpo.

"Postura adequada evita problemas na coluna - dos mais simples aos mais sérios, como a hérnia de disco"

Ao sentar-se: dê preferência para cadeiras de encosto reto (não reclinável), de forma que a coluna vertebral seja completa e confortavelmente apoiada. Os joelhos devem estar em 90º e os pés apoiados no chão.

Pegar um objeto do chão: abaixe dobrando os joelhos com as costas eretas e aproxime o objeto do corpo. Ao dobrar apenas a coluna corre-se o risco de lesão e dor.

No computador: mantendo as dicas para sentar, observe também o teclado, que deve estar na mesma altura dos cotovelos. Os braços devem permanecer apoiados na mesa. Para o monitor, indica-se a altura de 20º da linha de visão e distância de cerca de 40 cm dos olhos.

Telefone e celular: segure com a mão! Nunca apóie no ombro, para não forçar - e de forma errada - as estruturas do pescoço e coluna cervical.

Levantar da cama: lembre-se de que suas costas estavam em repouso enquanto você dormia. Desta forma, vire-se de lado e impulsione o corpo com as mãos, colocando as pernas para fora da cama. Aproveite este momento para espreguiçar e alongar todas as articulações.

Dirigir: procure manter a posição do banco o mais próxima do vertical, apoiando completamente toda a extensão da coluna. Os pedais devem ficar próximos e as mãos alcançar com segurança o volante, para que não seja preciso se inclinar para frente. Os cotovelos devem estar em um pouco dobrados (em flexão) e nunca totalmente esticados

 Para finalizar, não esqueça que os exercícios físicos são ótimos aliados da saúde, ajudando a fortalecer a coluna e evitando lesões. Alongue-se sempre que ficar por muito tempo em uma mesma posição e procure um médico em caso de dor.

Escrito por: Alexandre Reis Elias - Minha Vida

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Previna dores na coluna


Não se sentar nem se levantar direito e pegar alguma coisa no chão dobrando a coluna e não os joelhos são as causas principais de dores na coluna. Esses maus costumes provocam desconforto na região inferior da coluna que vai da última costela até o início dos glúteos.

As dores nas costas já atrapalharam muito a vida da assistente operacional Elaine Souza. "Eu sentia dores nas costas, me dava cansaço e isso atrapalhava nas atividades e para dormir. Às vezes com dores eu deixava de fazer muitas coisas. E acaba atrapalhando no resto das atividades".

O ortopedista especializado em coluna do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), Luiz Carelli, alerta para a frequência das dores. Para o especialista, três dias sentindo dores já são suficientes para ficar preocupado. Ele fala que as dores podem esconder problemas mais sérios. "Não é só dor lombar. É aquela dor lombar associada ou com uma ciática que a dor por trás normalmente da perna irradiando até o pé que pode denotar a existência de problemas mais sérios como as hérnias de discos".

O ortopedista explica como evitar as dores na coluna. "Uma auto-avaliação da nossa postura em casa assistindo à televisão, no próprio ambiente de trabalho. Ter o que nós chamamos de uma ergometria dentro do ambiente de trabalho. A mesa e a cadeira muito bem ajustada. O computador, no caso dos profissionais que lidam com essa ferramenta. Tudo muito bem equilibrado, a altura da cadeira, cotovelos, boa postura, associado também a uma atividade física regular".

O tratamento para as dores na coluna pode ser feito com remédios, fisioterapia e atividade física.


0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Resumo das dores na coluna vertebral


Os discos intervertebrais desgastam-se com o tempo e o uso repetitivo, o que facilita a formação de hérnias de disco, ou seja, a extrusão de massa discal que se projeta para o canal medular através de uma ruptura da parede do anel fibroso. O problema é mais freqüente nas regiões lombar e cervical, por serem áreas mais expostas ao movimento e que suportam mais carga.

Protrusão discal

O Dicionário Médico Ilustrado Dorland define a hérnia como sendo a protrusão anormal de um órgão ou outra estrutura do corpo através de um defeito ou uma abertura natural em um invólucro, cobertura, membrana, músculo ou osso. Portanto, toda hérnia é uma protrusão. Mas nem toda protrusão é uma hérnia.
Para que se constitua em hérnia, a protrusão deve ir além da abertura natural do invólucro, cobertura, membrana, músculo ou osso; ou rompê-lo. Essa é a diferença entre protrusão discal e hérnia de disco. Na chamada protrusão discal, o disco não rompe o anel fibroso. Na hérnia discal ocorre ruptura do anel fibroso em volta do disco intervertebral, e projeção do disco além desse anel, saindo da cavidade que o contém, conforme mostrado na figura abaixo.

 

 

Sintomas

Esta lesão é caracterizada por dor local, que é aumentada pelo tossir e espirar, pelo espasmo da musculatura paravertebral e antalgia da coluna lombar. Quando ocorre pressão nas raízes nervosas vertebrais, cria-se uma dor que se irradia pela perna. Essa compressão nervosa pode acarretar déficit de força muscular nos membros inferiores
Os sintomas mais comuns são: Parestesias (formigamento) com ou sem dor na coluna, geralmente com irradiação para membros inferiores ou superiores, podendo também afetar somente as extremidade (pés ou mãos).

Causas

Sofrer exposição à vibração por longo prazo combinada com levantamento de peso, ter como profissão dirigir e realizar freqüentes levantamentos são os maiores fatores de risco pra lesão da coluna lombar. Cargas compressivas repetitivas colocam a coluna em uma condição pior para sustentar cargas mais altas, aplicadas diretamente após a exposição à vibração por longo período de tempo, tal como dirigir diversas horas. (Magnusson ML, Pope ML, Wilder DG, 1996)
Entre fatores ocupacionais associados a um risco aumentado de dor lombar estão:

  • Trabalho físico pesado
  • Postura de trabalho estática
  • Inclinar e girar o tronco freqüentemente
  • Levantar, empurrar e puxar pesos
  • Trabalho repetitivo
  • Vibrações
  • Psicológicos e psicossociais

 

 

LOMBALGIA

Denomina-se de Lombalgia, o conjunto de manifestações dolorosas que acontecem na região lombar, decorrente de alguma anormalidade nessa região. Conhecida popularmente como dor nas costas, a lombalgia é uma das grandes causas de morbidade e incapacidade funcional, tendo incidência apenas menor que a cefaléia entre os distúrbios dolorosos que mais acometem o homem. De acordo com vários estudos epidemiológicos, de 65% a 90% dos adultos poderão sofrer um episódio de lombalgia ao longo da vida, com incidência entre 40 e 80% da maioria das populações estudadas.

 

Sintomas

Os sintomas mais comuns da lombalgia são citados como uma dor lombar, que corresponde à região mais inferior da coluna vertebral, pouco acima das nádegas, na altura da cintura. Apresenta-se geralmente de começo discreto, com intensidade aumentando progressivamente e agravando com a mobilidade da região. Acompanha comumente a estas situações, algum grau de contratura muscular.
As crises dolorosas geralmente apresentam-se em um ciclo de dor que duram alguns dias, podendo em alguns casos tornar-se constante ou desaparecer, retornando depois de algum tempo.
Durante a crise dolorosa, a permanência em alguma forma de postura, seja sentado ou em pé, provoca o aparecimento da dor. A persistência dos sintomas ocasionalmente passa a ser um fator extremamente limitante sob o ponto de vista social, afetivo ou profissional, gerando grandes distúrbios secundários, como os de ordem emocional.
Em termos etiológicos, a lombalgia é um processo eminentemente clínico, onde os exames complementares devem ser solicitados apenas para confirmação da hipótese diagnóstica.

Causas da Lombalgia

Inúmeras circunstâncias (fatores de risco) contribuem para o desencadeamento e cronificação das síndromes lombares, tais como: fatores genéticos e antropológicos, psicossociais, obesidade, fumo, atividades profissionais, sedentarismo, maus hábitos posturais, síndromes depressivas, trauma, gravidez, trabalho repetitivo, entre outras.

 

Cervicalgia

A cervicalgia costuma ser insidiosa, sem causa aparente. Mas raramente se inicia de maneira súbita, em geral está relacionada com movimentos bruscos do pescoço, longa permanência em posição forçada, esforço ou trauma e até mesmo alterações da ATM (articulação têmporo-mandibular). O paciente com cervicalgia geralmente relata uma melhora quando está em repouso e exacerbação da dor com o movimento.


Sintomas e sinais

O paciente com cervicalgia costuma adquirir uma atitude de defesa e rigidez dos movimentos ocorre também uma alteração na mobilidade do pescoço e a dor durante a palpação da musculatura do pescoço podendo também abranger a região do ombro e nos casos mais graves ou prolongados irradiando para todo o membro superior.
Em relação à dor, o paciente pode queixar-se desde uma dor leve local e uma sensação de cansaço, até uma dor mais forte e limitante. O braço, além de doer, pode apresentar alterações de sensibilidade e força muscular, são as chamadas "alterações neurológicas".
O paciente refere adormecimento de alguma área ou de todo o membro, podendo ser contínua ou desencadeada por algum fator. A fraqueza muscular acontece em casos mais graves ou prolongados sendo geralmente progressiva. Podem existir também alterações nos reflexos encontrados em algumas inserções musculares no punho, cotovelo e ombro nos casos mais graves.

Causas da Cervicalgia

As cervicalgias podem ser decorrentes, de desordem mecânica, fatores posturais e ergonômicos ou ao excesso de sobrecarga dos membros superiores. A dor cervical resulta em perda na produtividade importante em certas ocupações e a maior predisposição de lesão associa-se a certos tipos de atividades e à idade. A cervicobraquialgia caracteriza-se por dor cervical com irradiação para membro superior, normalmente devido à compressão da raiz nervosa proveniente da região cervical sub-axial. Trabalhos que envolvam movimentos repetitivos de membros superiores e flexão da coluna cervical estão relacionados à dor cervical.

 

Dor lombar

A dor nas costas é uma queixa muito comum, chamada também de lombalgia é uma dor que ocorre na parte inferior da coluna vertebral (coluna lombar). Cerca de três em cada quatro adultos vão ter dor nas costas durante sua vida esses números podem subir, devido o aumento do número de idosos.
Uma grande parcela da população nos dias de hoje, convive com dor nas costas, resultado de má postura, sedentarismo, posições incorretas no ambiente de trabalho, nos afazeres domésticos entre outros fatores associados incluindo, a execução errada de exercícios.

Sintomas

A dor nas costas pode ser aguda ou crônica. A dor aguda pode durar dois meses, mas a dor crônica pode durar toda uma vida.
O paciente refere que sua coluna está travada, ele tem limitação na flexão anterior da coluna, dor e limitações nos primeiros movimentos da manhã.

Causas

Sedentarismo, idade, herança genética, postura no trabalho, levantar pesos inclinando a coluna para frente, prática esportiva com movimentos repetitivos.

  • Saiba mais sobre o ITC Vertebral
    Conheça nosso tratamento
    Anatomia e Doenças da Coluna Vertebral

 

Dor Ciática (Ciatalgia)

A dor ciática é uma dor persistente ao longo do nervo ciático, que se inicia na região lombar, passa pelas nádegas e vai até a parte mais baixa de uma ou duas pernas. Este é o nervo mais longo do corpo. A dor aparece quando este nervo está irritado através de uma inflamação, por uma compressão externa, pelo deslocamento do disco intervertebral, pela hérnia de disco na coluna lombar ou por uma contratura do músculo piramidal.

Sintomas

Pinçadas ou espasmos de dor na parte baixa da coluna e ao longo do nervo ciático, que percorre pela parte profunda da coxa e/ou superficial da perna indo até o pé. A dor geralmente é sentida como uma pontada ou uma queimação. Às vezes, começa gradualmente, piora durante a noite e é agravada pelos movimentos. A dor ciática também pode causar formigamento, parestesias (baixa sensibilidade) ou fraqueza nos músculos da perna afetada.

Causas

Podem ser traumatismo, hérnia, ruptura ou desvio dos discos que se encontram entre as vértebras lombares L4, L5 e S1, espasmo ou fadiga do músculo piramidal.

 

LORDOSE

Curvatura da coluna vertebral com convexidade anterior. A lordose é normal (lordose fisiológica) na região cervical e lombar. É anormal quando se situa noutra parte da coluna vertebral ou quando é muito acentuada, neste caso fala-se em hiperlordose.

A hiperlordose lombar está associada a uma anteversão pélvica e consequetemente um realinhamento de todas as outras curvas da coluna para uma compensação.
A anteversão pélvica pode estar associada a um desequilíbrio dos músculos abdominal e glúteos, que estão enfraquecidos, e na musculatura lombar que se apresenta encurtada.
Já a retificação da lordose lombar, esta associada a retroversão da pelve, originando um costa plana, com diminuição da mobilidade.
A hiperlordose cervical é caracterizada por uma proeminência da cabeça, caracterizando um pecoó mais alongado à frente.
A retificação da lordose cervical caracteriza-se pela diminuição da lordose e consequentemente um pescoço reto, com diminuição de mobilidade.

Sintomas

  • Modificação da postura do corpo
  • Limitação da mobilidade da coluna.

Causas

  • Atitude assumida (má postura)
  • Fadiga
  • Fraqueza muscular
  • Gravidez
  • Obesidade

ESCOLIOSE

A coluna vertebral vista por trás deve ser reta, alinhada. A escoliose é uma deformação morfológica da coluna vertebral nos três planos do espaço (Souchard e Ollier, 2001). Assim, a coluna realmente se torce, não somente para os lados, mas para frente e para trás e em volta do seu próprio eixo. Essa torção em maiores graus determina a gravidade da escoliose e a forma de ser tratada.
Classificação da escoliose quanto a forma da curva: curva simples, sendo esta à direita ou à esquerda (escoliose em "C"); Curva dupla, (escoliose em "S"). Lembrando que a direção da curva é sempre identificada pela convexidade da coluna.
Classificação das curvaturas escolióticas, podendo estas serem: cervicotorácicas, torácicas, toracolombares, lombares e lombossacrais.
Relacionando o grau da angulação da escoliose e o tratamento correspondente, temos:
1)0 à 10 graus: não há necessidade de tratamento fisioterápico.
2)10 à 20 graus: há necessidade de tratamento fisioterápico.
3)20 à 30 graus: tratamento fisioterápico e uso de colete ortopédico
4)30 à 40 graus: uso do colete ortopédico
5)40 à 50 graus: somente tratamento cirurgico.

Causas

  • Idiopática : causa desconhecida (70% dos casos)
  • Neuromuscular : seqüela de doenças neurológicas, como por exemplo poliomielite, paralisia cerebral.
  • Congênita : oriunda de uma má-formação
  • Pós-traumática

Diagnóstico

O diagnóstico é feito através de testes clínicos e de radiografias. Em todos os casos de escoliose, é importante o diagnóstico precoce e a avaliação clínica completa e radiológica do paciente.A avaliação postural faz parte da avaliação clínica, sendo de fundamental importância para o diagnóstico. Nela, o examinador compara os dois hemicorpos do indivíduo nas vistas anterior, posterior e lateral, observando possíveis diferenças e assimetrias ( Calliet, 1979). O controle da evolução sistemática é a forma de minimizar os danos dessa patologia que, quando não tratada corretamente, pode causar danos irreparáveis.

Tratamento

O tratamento das escolioses baseia-se, dentre outros fatores, na idade, na flexibilidade, na gravidade da curva e na sua etiologia, compreendendo a correção das deformidades, com tratamento conservador, que inclui fisioterapia e utilização de coletes, adaptação de palmilhas posturais que incrementam a eficácia e o tempo do tratamento (Podoposturologia) ou o tratamento cirúrgico (Tribastone, 2001). Na opção de tratamento conservador a fisioterapia utiliza-se dos benefícios da R.P.G. ou Reeducação Postural Global, como método que corrige ou minimiza a escoliose através da identificação da causa do problema.

Cifose (corcunda)

Definida como um aumento da curvatura no plano sagital da coluna torácica. Alguns autores citam que o ângulo da cifose torácica pode variar normalmente entre 20º e 40º utilizando o método de Cobb (POOLMAN, BEEN & UBAGS, 2002). Outros citam que a cifose torácica média é de 37º Cobb (LOUBRESSE,VIALLE & WOLLF, 2005), e fixam entre 20º a 50º Cobb o limite entre o fisiológico e o patológico (FON, PITT & THIES, 1980); (BERNHARDT & BRIDWELL, 1989).
As curvaturas da coluna são definidas durante o crescimento e suas amplitudes variam de indivíduo para indivíduo. Para cada pessoa essa combinação de curvas resulta em uma economia fisiológica para a postura em pé. É preciso levar em consideração essa grande variedade fisiológica para classificar essas curvaturas em patológicas e não patológicas. As hipercifoses patológicas podem ser divididas em dois grandes grupos, aquela em que o caráter patológico se deve a importância de sua curvatura (ou posturais) e aquelas em que a característica patológica é inegável como nos casos de doenças congênitas ou adquiridas, as quais são responsáveis pelo desenvolvimento da curvatura acentuada (LOUBRESSE,VIALLE & WOLLF, 2005).

Sintomas

A instalação da deformação (costas arqueadas) faz-se, habitualmente, de forma lenta, com ou sem dor nas costas, fadiga, sensibilidade e rigidez da coluna vertebral.


0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Tratamentos alternativos amenizam as dores nas costas



Saiba como minimizar o incômodo e prevenir as crises que atingem mais de metade da população mundial

A lombalgia, popularmente conhecida como dor lombar, dor nas costas ou dor na coluna, é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como o principal problema médico nos países ocidentais industrializados. De acordo com a OMS, de 65 a 80% da população adulta acima dos 30 anos deverá sofrer com as dores lombares algum dia.

Problemas comuns do cotidiano como a má postura, a má alimentação, o sedentarismo, a obesidade, as atividades como agachar, carregar mochilas, malas e pastas com pesos excessivos, o estresse físico, emocional e até a depressão podem gerar desgastes de músculos, nervos, ossos, articulações ou outras estruturas na coluna vertebral, dando início à dor. As dores nas costas podem ser constantes ou não, restritas a um local ou irradiar-se para outras áreas do corpo, devido aos nervos longos que se originam na coluna e chegam até as pernas, afetando assim, grande parte do corpo humano.

Há três anos, o empresário Daniel de Mello Peixoto Amaral sofre com a lombalgia, um problema que inicialmente parecia ser passageiro, mas que acabou gerando muitos incômodos. "O meu dia é muito corrido, trabalho com produção de auto peças, fico carregando peso o tempo todo. Chegou o dia que minha coluna não aquentava mais, a dor era tanta que eu não conseguia sair da cama, ficava de repouso total", explica o empresário. Amaral passou por diversos tratamentos, entre eles a aplicação de ondas ultravioletas, ondas curtas e ingestão de medicamentos. "Os tratamentos colaboraram muito para a diminuição das dores, mas eu só tive resultados significativos quando mudei minha rotina de trabalho, modificando o processo de produção da minha empresa, diminuindo assim, o desgaste da minha coluna", completa.

Existe uma grande variedade de intervenções terapêuticas que estão disponíveis para o tratamento das dores incômodas causadas pela lombalgia que atingem pessoas das mais variadas faixas etárias. A acupuntura ao lado de tratamentos através de medicamentos e até mesmo massagens, colabora para amenizar o efeito das dores lombares. Esta técnica de tratamento chinesa consiste no estímulo de pontos determinados da superfície da pele e visa à recuperação global da saúde. "Para a concepção oriental, as doenças são manifestações de desequilíbrio de forças dentro do organismo. A acupuntura consegue reorganizar estas energias utilizando-se dos pontos específicos do corpo humano onde as desordens são refletidas, acabando então com as dores", explica a acupunturista Thais Pamplona que afirma que esta técnica, aliada a outras formas de tratamento colabora para o alivio da dor. "A acupuntura influência diretamente o nível energético das pessoas, gerando melhorias importantes para o dia-a-dia, acabando com dores, deixando o organismo em total harmonia", completa.

A maioria dos casos de lombalgia tem caráter benigno e a recuperação depende apenas de repouso e tratamento com remédios simples, como analgésicos, relaxantes musculares e antiinflamatórios. Em outros casos, como o do empresário Daniel Amaral mesmo com a realização de um tratamento intensivo, as tensões lombares podem retornar periodicamente. As dores repetitivas podem ser evitadas com um tratamento preventivo, que visa o fortalecimento da musculatura lombar e a manutenção de uma postura corporal correta.

Além dos tratamentos preventivos tradicionais, como o alongamento, a natação e a hidroginástica, o yoga também colabora para o fortalecimento dos músculos da coluna, se tornando um importante preventivo contra as dores. "Através da eliminação de tensões e aumento da consciência corporal, o yoga coopera para a manutenção de uma boa postura corporal, o que resulta na diminuição das dores e também diminui a probabilidade de aparecimento da lombalgia", explica a bióloga e professora de yoga Daniela Reis, proprietária do Gaya Yoga Spa.

De acordo com Daniela, o yoga trabalha diretamente com o corpo, a consciência, a inteligência e os sentidos. Dessa maneira, oferece aos praticantes um crescente domínio de seu corpo físico, suas emoções e sua mente, promovendo ainda a força física, alongamento e flexibilidade. "As posturas e os alongamentos trabalhados no yoga facilitam a manutenção de uma boa postura corporal, contribuindo para o alinhamento e fortalecimento dos músculos paravertebrais, responsáveis pela sustentação da coluna, fazendo com que as dores na coluna sejam prevenidas", completa a professora.

A vida agitada, cada vez mais concorrida nos grandes centros urbanos, mesclada com os altos níveis de stress do dia-a-dia e a pressão dos ambientes corporativos acabam dificultando a manutenção de hábitos saudáveis, contribuindo diretamente para o aparecimento das dores na coluna. Para que as dores sejam amenizadas ou até mesmo prevenidas, Dr. Emiliano Vialle, médico especialista cirurgião de coluna da Clínica da Coluna Vertebral - Curitiba Spine Center, sugere cinco atitudes fundamentais que devem ser adotadas no cotidiano:

1- Evite permanecer sentado durante muito tempo.

2- A pratica de exercícios físicos é fundamental para a prevenção da lombalgia. Procure as atividades que trabalhem os músculos abdominais, sem impacto e de maneira controlada.

3- Não fume. Estudos comprovam que os fumantes têm maiores chances de sofrerem com as dores lombares.

4- Evite permanecer muito tempo no trânsito. As vibrações do automóvel afetam a coluna.

5- Permaneça sempre dentro do peso adequado à estrutura do seu corpo.

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Má postura pode levar à depressão, diz pesquisa

 Foto: Getty Images

Quando alguém nos diz para levantar ombros e cabeça a fim de melhorar o humor, tem razão. Uma pesquisa feita pela Universidade Federal de São Francisco, na Califórnia, aponta que a má postura pode levar à depressão.

Para o estudo, cientistas recrutaram 100 pessoas e as fizeram caminhar com os ombros para frente e depois com as costas retas. Minutos depois, pediram que eles dissessem como se sentiam, apontando níveis de energia e relatando se sentiam-se deprimidos. Os resultados mostraram que os voluntários ficaram mais descontentes e deprimidos após caminhar com as costas curvadas, mas que melhoraram de humor imediatamente após adquirirem melhor postura.

A má postura, segundo as conclusões, publicadas no site da revista Cosmopolitan, podem levar ao mau humor mesmo quem não está passando por maus bocados. Prestar atenção nisso pode ajudar a recuperar a energia num momento de cansaço, como no meio do expediente do trabalho.


0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Tratamentos pouco invasivos contra dores na coluna ganham espaço


Há muito mais entre os remédios e as cirurgias para tratar as dores nas costas, problema que, segundo pesquisa da Escola Nacional de Saúde Pública, atinge um terço dos brasileiros adultos.

Os tratamentos pouco invasivos, feitos com agulhas ou incisões mínimas, estão ganhando espaço em consultórios e hospitais.

Segundo o médico fisiatra João Amadera, entre os 300 pacientes atendidos no centro especializado em tratamento de coluna aberto no fim do ano passado no Hospital do Coração, só um foi encaminhado para cirurgia.

Nos outros casos, fisioterapia e injeções de medicamentos diretamente no ponto de origem da dor bastam.

Outra opção é a "queima" de nervos que podem ter tido um crescimento anormal e se tornam fonte de dor. Depois disso, o paciente pode ser encaminhado para fisioterapia.

"O importante é quebrar o ciclo da dor e corrigir a postura", afirma Amadera.


Editoria de Arte/Folhapress

O exame físico detalhado e o histórico da dor dão pistas melhores sobre a origem do problema do que a análise isolada de exames de imagem, diz o neurocirurgião Joel Augusto Ribeiro Teixeira.

Para ele, ainda é comum uma visão simplista das dores da coluna. "Parece que sempre é hérnia de disco ou dor muscular. Ou se opera ou faz fisioterapia. Mas há muitos estágios intermediários", afirma o médico, coordenador do centro de terapias minimamente invasivas da coluna do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Teixeira diz que o tratamento da dor na coluna deve ser escalonado: primeiro é preciso tentar as terapias conservadoras, como o uso de remédios e fisioterapia. Os procedimentos minimamente invasivos vêm depois e, em último caso, a cirurgia.

No entanto, de acordo com o fisiatra João Amadera, muitos pacientes recebem indicação de cirurgia sem necessidade. "Menos de 5% das hérnias de disco precisam de cirurgia. Cerca de 90% são reabsorvidas sozinhas."

O comerciante de tecidos Marcos Antonio Pereira de Barros, 51, escolheu a terapia minimamente invasiva para tratar dores causadas por uma hérnia de disco que o incomoda há oito anos. "Já tinha tentado de tudo. Ficava com dor depois de ficar sentado ou em pé por mais de dez minutos do mesmo jeito."

Barros, que mora em Santa Cruz do Capibaribe (PE), se submeteu a duas sessões para receber injeções de medicamentos no HCor, em São Paulo. "O incômodo melhorou 85%. Estou fazendo pilates também."

Luís Eduardo Munhoz da Rocha, presidente do Comitê de Coluna da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, afirma que os tratamentos pouco invasivos têm indicações pontuais, e o mais importante é mudar hábitos e fortalecer a musculatura que sustenta a coluna. "Hoje está muito em voga o minimamente invasivo. Nem tudo é resolvido assim."

DÉBORA MISMETTI


0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Exercícios e alongamentos fortalecem a coluna e previnem dores


Imagine uma pilha de copos em equilíbrio: um pequeno empurrão pode acabar com a cascata de vidro em segundos.

O exemplo cai bem quando o assunto em pauta é sua coluna vertebral. Apesar de mais resistente, esse emaranhado de ossos, músculos e nervos não se quebra de uma hora para outra, mas pequenos empurrões, bruscas torcidas de costas ou posições desajeitadas também podem acabar com a sua estrutura.

Sendo assim, quem quer distância das dores lombares deve seguir à risca recomendações como prática regular e não exagerada de exercícios físicos, dieta balanceada (para que o sobrepeso não recaia sobre a coluna) e distância do cigarro, além de atenção especial para a postura corporal.

Se você não está a fim de ingressar nesse hall de sofredores --cerca de 80% da população já tem, teve ou terá dor nas costas--, é bom ir se acostumando a levar mais a sério o conselho dos médicos.

"Os exercícios físicos são essenciais porque fortalecem os músculos que sustentam a coluna. O cigarro é um veneno, suas substâncias tóxicas impedem o fluxo sangüíneo pela região da coluna. Os quilos extras a sobrecarregam. Por fim, vêm os movimentos e posturas inadequadas. Tortura-se muito a coluna vertebral", alerta o reumatologista José Goldenberg, autor do livro "Coluna, Ponto e Vírgula" (editora Atheneu). "Basta pouco para provocar a dor. Uma simples noite mal dormida até um esforço acima do normal e os problemas batem à porta", complementa.

Mas, se existe um lado bom nesse inconveniente tão popular, é que hoje se sabe que mais da metade dos casos de dores na coluna são causados por problemas decorrentes de causas que podem ser facilmente reparadas, como deixar de sentar-se curvado diante do computador ou torcer a coluna bruscamente na pressa ao sair do carro. "Como escondem causas benignas, esses casos se curam praticamente sozinhos", diz o reumatologista Jamil Natour, da Universidade Federal de São Paulo.

Às vezes a dor nas costas pode indicar um problema mais sério, mas segundo os médicos, esses casos são exceções. O sintoma pode sinalizar um tumor, uma infecção mais grave ou até mesmo uma fratura, mas o diagnóstico costuma ser complexo e depende de uma boa consulta clínica.

Se você já consultou um médico e constatou que por trás da dor que sente estão os hábitos inadequados de vida, a reportagem do Equilíbrio traz ao lado alguns exercícios que podem ser úteis para evitar a dor. Segundo a fisioterapeuta Luciana Couto, da clínica Goldenberg, todo cuidado é necessário. "Exagerar na dose pode ser pior. O ideal é que antes de fazer os exercícios recomendados, o paciente tenha passado antes por uma avaliação médica", orienta.

Para a fisioterapeuta, as pessoas devem estar mais atentas à sua coluna vertebral durante a prática de atividades diárias e corriqueiras. "Os exercícios são fundamentais porque fortalecem os músculos que sustentam a coluna", explica.

A administradora de empresas Gisele Maia, 37, que tem fibromialgia, dor muscular generalizada, costuma fazer os exercícios. "Era sedentária, as sessões de alongamento são hoje o que me confortam, conta Gisele.

Para prevenir dores nas costas

(repita de duas a três vezes por semana)

1. Equilibrar: como a ajuda de uma bola, eleve o quadril para posicionar a coluna corretamente. As pernas não devem estar nem abertas, nem muito fechadas. A bola ajuda a manter o posicionamento adequado da coluna
2. Exercitar: deite-se de barriga para baixo com os joelhos flexionados e os braços estendidos. Em seguida, acentue sua curvatura para alongar-se.
3. Esticar: esse exercício lembra o anterior, a diferença é que o braço direito e a perna esquerda ficam estendidos. Em seguida, faça o oposto, com o braço esquerdo e a perna direita
4. Alongar: Um elástico ou cinto pode ser usado nessa posição. O importante é manter sempre as pernas flexionadas
5. Relaxar: deite-se no colchonete com a barriga para cima e os joelhos flexionados. Essa forma garante apoio para a sua coluna e ainda relaxa

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Dor crônica no pescoço pode piorar com a idade e revelar problemas emocionais


Dor crônica no pescoço pode piorar com a idade e revelar problemas emocionais Flávio Neves/Agencia RBS

Região cervical é a mais sensível da coluna, por isso, a dor no local exige cuidados Foto: Flávio Neves / Agencia RBS

Responsável por sustentar o peso de seis quilos da cabeça e realizar mais de 600 movimentos diários, a coluna cervical, localizada na região do pescoço, é vítima de queixas constantes de dor e incômodo. A cervicalgia, como é identificada pelos especialistas, é sintoma de um problema que pode atingir de 30% a 50% da população mundial durante a vida, agravando-se com o passar dos anos.

Composta por sete vértebras, a coluna cervical mantém contato com estruturas importantes do organismo, como a medula espinhal, vasos arteriais e venosos e nervos ligados ao cérebro. Entre 18 e 65 anos, é comum essa região começar a apresentar complicações, e a cervicalgia é um sintoma.

— A dor na estrutura cervical é sinal de algum problema. O mais comum é o desgaste físico da coluna, que surge com o envelhecimento — afirma o cirurgião ortopedista Aldemar Roberto Mieres Rios.

Segundo o médico, as complicações começam nos discos intervertebrais, que são anéis fibrocartilaginosos entre as vértebras, responsáveis por amortecer o peso da cabeça e manter a estabilidade da coluna. Essas estruturas são compostas por um gel de proteína que se rompe com o passar do tempo, perdendo água e desidratando os discos. Consequentemente, eles perdem sua funcionalidade. Essas alterações também estão relacionadas a fatores genéticos e ao modo de vida.

O problema resulta em outros diagnósticos graves, transformando-se em uma "bola de neve" de doenças degenerativas. Conforme Rios, as complicações do envelhecimento da estrutura podem ocasionar hérnias de disco, quando ocorre compressão das raízes nervosas da coluna, ou estenoses, com o estreitamento ou redução do canal por onde passam a medula e os nervos.

Problemas psicossomáticos

A cervicalgia pode revelar problemas psicossomáticos. Segundo o médico ortopedista, quando a pessoa está com um nível de estresse elevado, por exemplo, a tensão é um fator para contrair a musculatura da coluna cervical, ocasionando a dor no pescoço. Dormência nos ombros, braços e pernas também são sinalizadores de problemas emocionais e físicos, quando ocorre compressão da medula e dos nervos.

O alívio da dor surge com o tratamento adequado da região cervical, que deve ser encaminhado por especialistas. O paciente passa por triagem e exames clínicos antes de iniciar procedimentos mais específicos.

— A região cervical é a parte mais sensível da coluna, por isso, a dor no local exige cuidados — alerta o cirurgião.

Não é normal, por exemplo, haver incômodo no pescoço durante a noite, quando estamos relaxados. Isso pode indicar tumores ou infecções. Apenas o diagnóstico detalhado do médico pode trazer uma nova perspectiva para a pessoa manter uma vida tranquila.


0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Veja 8 atitudes do dia a dia que podem causar dor nas costas


Mesmo quem não sofre de problemas de coluna experimenta algumas vezes dores no corpo, principalmente nas costas. A razão disso é a má postura, gerada por situações e ações comuns do dia a dia. Carregar a bolsa, adaptar-se aos assentos do carro e do trabalho, movimentos impensados, entre outros, vão levando a probleminhas que podem causar dores e até lesões mais sérias. A médio e longo prazo, causam dores e inflamações, pois a  alteração biomecânica dos movimentos leva a compensações. Isso cria novas lesões por novas compensações, principalmente de quadril, que podem ganhar assimetrias, e de coluna, como escoliose.

O especialista enumera atitudes comuns que alteram o equilíbrio do corpo e ensina que é preciso buscar reeducar-se no cotidiano, mudando pequenas atitudes para evitar problemas de saúde. Fazer alongamentos de uma maneira geral também ajuda.

Na cadeira do trabalho

Aqui, normalmente são vários os pontos que merecem atenção. Primeiro, a região lombar costuma não ter apoio, o que faz com que os quadris sejam jogados para frente. Sentar-se assim com as costas, e não com o bumbum, faz com que o pescoço fique mais esticado do que o normal para enxergar a tela, que não fica no nível dos olhos. Além disso, a falta de apoio no cotovelo cria uma tensão adicional nos ombros.

Bolsa nos ombros

Causa desequilíbrio, pois traz alterações musculoesqueléticas pela sobrecarga de um dos lados, principalmente quando a bolsa é muito pesada, atitude comum entre as mulheres.

Salto alto

Os pés influenciam diretamente a coluna. Uma pisada ruim gera tensões desorganizadas. O salto gera uma pisada em desequilíbrio, pois a base anterior fica apoiada, trazendo os quadris para frente, o que gera dores na região

Movimentos do dia a dia

O principal problema está na combinação de flexão e rotação. Lesões diversas ocorrem, desde pinçamentos e contraturas musculares, fazendo ações do cotidiano, como agachar para pegar algo, deitar ou levantar da cama.

Agachar da forma errada

Dobrar os joelhos e descer em direção ao chão com a coluna reta evita sobrecarga na região lombar e deve ser feito mesmo quando não se vai levantar peso. Agachar rapidamente e esticar-se para pegar algo é arriscado e pode levar a estiramentos.

Relaxar no sofá

Pode soar perfeitamente normal se jogar no sofá após um dia de trabalho, mas esse hábito cria desconfortos musculares. Os principais problemas são sentar apoiando a região lombar e não o bumbum, sofás altos para pessoas baixas e baixos para pessoas altas - dificilmente um modelo atende às necessidades de todos de uma mesma casa. Se possível, tente colocar um apoio nos pés para manter os joelhos em 90 graus e apoie a lombar. Pode ser com a ajuda de uma almofada.

Postura no carro

Quem passa muito tempo no trânsito precisa levar em conta que a postura no carro pode influenciar no equilíbrio do corpo. Mantenha a região lombar bem apoiada, o banco numa inclinação de 100 ou 110 graus e numa altura razoável sem que as pernas tenham de ficar muito esticadas para que os pés alcancem os pedais.

Cicatrizes

Os cortes feitos na musculatura e nos tecidos causam tensão na região, que será compensada de outra forma. É normal tensionar alguma região do corpo após cirurgias plásticas, por exemplo. Mulheres que se submeteram a implantes de silicone podem tensionar os ombros. A médio prazo, haverá dores.

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Evite dores na coluna vertebral

Coluna Vertebral


A nossa colua vetebral tem como principal característica a flexibilidade e suas funções são a proteção da medula espinhal, movimentação, manutenção da posição ereta e suporte do peso corporal. Ela é composta por 33 vértebras sendo 7 cervicais, 12 torácicos, 5 lombares, 5 sacrais e 4 coccígeos.

Nossa coluna vai se moldando de acordo com a idade. Quando o recém-nascido vai adquirindo controle sobre seu corpo, a forma da coluna progressivamente se altera ocorrendo uma modificação na curvatura. A curvatura cervical desenvolve-se à medida que a criança tenta erguer a cabeça, por volta dos 3 meses e se consolida na época de sentar e engatinhar. Já a curvatura lombar desenvolve-se quando tracionada nos esforços de ficar de pé, porém torna-se firme e consolidada por volta dos 2 anos de idade.

Estas curvaturas são compensatórias da postura ereta assumida pelo homem, onde a cervical suporta o peso da cabeça e alivia em parte, a ação dos músculos da nuca em manter a extensão da cabeça e do pescoço. A lombar compensa a desvantagem da curvatura torácica (de concavidade anterior) e sustenta o peso do corpo. A curva tende a ser suave e gradual e a estes níveis a coluna é relativamente forte, porém, as áreas de transição de uma curvatura para outra são mais agudas, estão sujeitas a maior força de tração, possuem maior mobilidade e são potencialmente mais vulneráveis.

Devido as várias curvaturas relacionadas à coluna e fatores como a má postura, impacto, genética entre outros, relacionamos alguns problemas adquiridos ou deformidades congênitas da coluna vertebral. São elas:

Cifose: é também um desvio da coluna, mais facilmente percebido quando a pessoa está de lado, pois as costas ficam arqueadas, o tórax retraído e os ombros projetados para frente. Uma pessoa cifótica em linguagem popular é conhecida como corcunda. As cifoses lombares e cervicais geralmente são acompanhadas de escoliose e são conseqüentes ao crescimento desigual de vértebras.

Lordose: desvio da coluna característico na região da bacia, causando uma curvatura exagerada no local. Pode ser uma compensação de uma cifose ou à flacidez muscular com ou sem aumento de peso anterior à coluna, como na obesidade ou gravidez.

Escoliose: é a deformidade em que a coluna apresenta uma ou mais curvaturas laterais da coluna. Pode ser funcional (ou fisiológica) onde a coluna curva-se lateralmente devido à diferença de peso nas duas metades do corpo em conseqüência de poliomielite, diferença de comprimento dos membros inferiores, a fraturas mal reduzidas, próteses mal adaptadas e joelho valgo; e estrutural (ou patológica) onde geralmente aparece na infância e é progressiva sendo a causa o crescimento desigual das vértebras.

Hérnia de disco intervertebral: a parte mais central do disco que se localiza entre as vértebras, sai da estrutura da coluna causando dores muito fortes e até mesmo paralisação dos membros. Normalmente a hérnia de disco ocorre a partir da segunda década de vida, podendo ocorrer uma diminuição na capacidade do disco em absorver impactos e pressões, em razão de: desidratação progressiva, surgimento de fissuras, diminuição de sua altura, predisposição genética, alterações bioquímicas e ambientais.

Artrose: é a forma mais comum de reumatismo e uma das doenças mais freqüentes no ser humano, sendo um dos principais fatores incapacitantes do idoso. Popularmente conhecida como "bico-de-papagaio" é definida como um estado de progressiva deterioração da articulação vertebral. Com o tempo grande parte da cartilagem pode desaparecer completamente e na ausência parcial ou total desta cartilagem os ossos atritam diretamente entre si causando certo grau de inflamação, dor, limitação dos movimentos e crepitação. Com a evolução a articulação pode sofrer deformação visível ou palpável, que são os tão famosos bicos-de-papagaio.

Lombalgia: conhecida popularmente como dor nas costas, a lombalgia é o conjunto de manifestações dolorosas na região lombar (região mais inferior da coluna vertebral, pouco acima das nádegas, na altura da cintura) decorrente de alguma anormalidade nessa região. A persistência dos sintomas ocasionalmente passa a ser um fator extremamente limitante sob o ponto de vista social, profissional ou afetivo, podendo gerar distúrbios de ordem emocional.

Se você deseja prevenir ou até mesmo tratar os problemas de coluna, siga alguns passos:

a) Cuidado com o sobrepeso.
b) Caminhe a pé 1 hora por dia;
c) Alongue os músculos posteriores do pescoço e da região lombar;
d) Fortaleça os músculos posteriores da parte torácica das costas;
e) Fortaleça os músculos abdominais;
f) Amplie a elasticidade das articulações dos quadris (nada mais é do que trabalhar o alongamento, a elasticidade dos movimentos de abertura, como no balé, tanto na lateral como com uma perna na frente e outra atrás);
g) Alongue os músculos isquiotibiais (aqueles que são curtos atrás das pernas e coxas. Um alongamento para esse grupo de músculo é aquele quando tentamos colocar as mãos no chão com as pernas abertas e os joelhos estendidos)

Com ajuda daqui

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Ficar muito tempo parado na mesma posição pode causar dor nas costas


O corpo humano não foi feito para ficar parado em uma mesma posição por muito tempo. Mesmo com a postura correta, a falta de movimentação faz com que os músculos entrem em fadiga e doam. Esse problema tem efeitos ainda piores em situações de postura incorreta e os dois casos podem provocar dor nas costas.

Sentir dor nas costas é um problema que atinge uma parcela muito grande da população. Além da falta de movimentação, a postura errada e os músculos enfraquecidos também são fatores que contribuem para esse incômodo. Por isso, a prevenção é simples: corrigir a postura, fortalecer os músculos e se movimentar alternando a posição, como recomendaram o ortopedista Raphael Marcon e o fisioterapeuta Cássio Siqueira.

Arte Postura Bem Estar (Foto: Arte/G1)

As dores musculares mais comuns são provocadas por fatores mecânicos, como o esforço excessivo e o erro postural. Essas dores costumam durar até 8 semanas e ter começo, meio e fim.

Se a dor continuar por mais de 8 semanas, é preciso procurar um médico para investigar se há algum outro problema. Dores que duram mais de três meses são consideradas crônicas e podem ser causadas por alterações degenerativas da coluna, como osteoartrose e hérnia de disco.

Outra causa de dor é a deformidade em alguma das três curvaturas da coluna: a lordose cervical, a cifosetorácica e a lordose lombar. Quando a cifose é acentuada, pode causar um problema chamado hipercifose, comum em pessoas tímidas, altas e que usam muito o computador. Normalmente, essas pessoas jogam os ombros e a cabeça para a frente e têm dores no pescoço e ombros.

Já a escoliose, doença que altera a posição da coluna, está ligada a um fator genético e tem vários graus. Em casos mais leves, o uso do colete é indicado. Nos mais graves, é indicada a cirurgia. Porém, tem as alterações de posturas que também levam a coluna a ficar em formato de S, chamada de "escoliose postural". Esta deformidade é momentânea e pode ser corrigida apenas com realinhamento postural.

A região lombar é a que mais aguenta carga do corpo, portanto, a que mais sofre. Quando a curvatura dessa região e da cervical é acentuada, o problema se chama hiperlordose. O uso do salto alto, por exemplo, faz essa curvatura se acentuar. Outro problema é o escorregamento da vértebra, muito comum nos adolescentes.

Outro fator que pode causar dores na lombar é ficar sentado por muito tempo.

Um estudo mostrou que a pessoa que fica sentada pressiona muito mais os discos invertebrais do que a pessoa que fica em pé, por exemplo. A pressão aumenta ainda mais quando a postura é incorreta.

Veja abaixo algumas posições do dia a dia que podem causar dor nas costas e como corrigi-las.

Para mexer no computador, o ideal é não inclinar os ombros e usá-lo na altura dos olhos com a postura ereta (Foto: Mariana Palma/G1)
Na hora de lavar a louça, o ideal é que a pia esteja na altura do umbigo. Se a pia for muito baixa, a dica é tentar diminuir a altura (sempre com a coluna reta) como mostra a imagem (Foto: Mariana Palma/G1))
A maneira de sentar também pode prejudicar as costas. A dica é apoiar os dois pés no chão e manter os ombros alinhados e a coluna reta (Foto: Mariana Palma/G1)
Para usar o computador, as pernas devem estar apoiadas e os braços dobrados em 90 graus. Para corrigir a postura acima, foi usada uma almofada e um apoio no pé (Foto: Mariana Palma/G1)
Para pegar objetos pesados no chão, a dica principal é flexionar os joelhos para não sobrecarregar a coluna (Foto: Mariana Palma/G1)

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Estresse e dores nas costas estão fortemente ligados


Existe uma forte conexão entre o estresse e as dores nas costas. O estresse causa a liberação de hormônios que aumentam a percepção da dor, como o cortisol e o adrenocorticotrópico (ACTH).

Os hormônios do estresse também causam tensão muscular. Os músculos podem ser tão tensionados ao ponto de levar a um doloroso quadro de espasmo muscular. Os músculos das costas e do pescoço são particularmente mais sensíveis aos efeitos do estresse.

A tensão muscular reduz a circulação sanguínea para os tecidos, desta maneira, reduz a quantidade de oxigênio e nutrientes que deveriam chegar até para eles. A circulação adequada é necessária para liberar resíduos ácidos (bioprodutos da atividade muscular) dos tecidos. O acúmulo deles nos tecidos pode causar fadiga e dor, além de dificultar o processo de cura do organismo.

Uma pessoa com problemas nas costas, como por exemplo, a cicatriz de uma lesão antiga ou com alterações degenerativas da coluna devido ao envelhecimento, pode observar os efeitos do estresse pela dor nas costas, ainda mais do que alguém com as costas saudáveis.

A menor tensão muscular pode ser a "gota d'agua". Por exemplo, se os nervos espinhais forem restringidos por tecido cicatricial ou por depósitos de cálcio, podem levar a uma tensão muscular mínima, que comprime os nervos e causam dor. Outro exemplo, é a dor ciática, que pode tornar-se muito maior quando a pessoa se sente estressada.

"Exercícios simples de alongamento também podem aliviar o estresse e relaxar os músculos tensos"

Sem a devida atenção, um ciclo vicioso para o estresse e para a dor nas costas pode ser facilmente iniciado: O estresse causa tensão muscular nas costas, levando à dor, que por sua vez aumenta a tensão muscular e pode aumentar ainda mais o estresse.

Quando alguém está sob efeito do estresse, suas costas se tornam menos capazes de tolerar até mesmo a uma leve atividade. Ele faz com que os músculos se tencionem, deixando-os vulneráveis a lesões. Com este quadro, o simples ato de levantar uma caixa leve, por exemplo, pode se tornar quase impossível.  

Reduzindo o estresse

Aliviar o estresse pode reduzir a dor que é agravada ou causada pela tensão muscular. Além disso, gerenciá-lo continuamente também pode ajudar a prevenir a aparição das dores nas costas.

Terapias como osteopatia, acupuntura e massagens terapêuticas, como o Shiatsu, são muito benéficas para o relaxamento muscular. Elas trabalham o corpo de forma holística, ou seja, reequilibram a circulação e o copo como um todo, levando ao alivio das condições provocadas pelo estresse. Quando realizadas regularmente podem ajudar no controle do estresse e da dor nas costas.  

Exercite-se

O controle do estresse é um processo contínuo - como fortalecer os músculos através de exercícios. Portanto, o alívio pode vir através deles. O Pilates reune movimentos que aumentam a força e a flexibilidade, ao utilizar técnicas de respiração para aliviar o estresse, proporcionando sensação de alívio e bem-estar.

O exercício aeróbico é outra forma particularmente eficaz para aliviar o estresse, pois queima os hormônios que o causam e aumenta a produção corporal de endorfinas - substâncias químicas que são naturalmente secretadas para aliviar a dor e melhorar o humor. Além disso, exercícios simples de alongamento também podem aliviar o estresse e relaxar os músculos tensos.

Manter a forma através do exercício e o controle de estresse são importantes no tratamento e prevenção de dores nas costas.

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Medidas simples são essenciais para a prevenção da dor nas costas

 A medicina tem avançado bastante, mas a forma com que as pessoas exercem suas atividades do dia a dia, em soma ao equilíbrio físico e emocional, ainda é a melhor receita para evitar a dor nas costas - segunda causa mais frequente de procura por consulta médica.

 A região da coluna é o centro de equilíbrio do nosso corpo, afetando e sendo afetada em todos os movimentos que realizamos. Desta maneira, todas as atividades realizadas envolvem esta estrutura e devem receber atenção para evitar lesões, entorces e desencadeamento de crises dolorosas. Então, porque esperar para tratar complicações se podemos, antes, evitá-las? Compartilhoalgumas dicas que são de grande valia.

Carregar mochilas: Evite carregar mochilas mais pesadas em um só ombro. Carregue nos dois e se possível use aquelas que têm um cinto para fixação no corpo, na cintura. Desta forma você vai equilibrar o peso e manter o eixo da coluna ereto.

Malas: utilize as que possuem rodinhas e puxador rente à mão. Além de mais confortáveis, evitam o sobrepeso e a má postura.

Pacotes e sacolas: divida-os entre as duas mãos, evitando sobrecarga para apenas um lado do corpo.

"Postura adequada evita problemas na coluna - dos mais simples aos mais sérios, como a hérnia de disco"

Ao sentar-se: dê preferência para cadeiras de encosto reto (não reclinável), de forma que a coluna vertebral seja completa e confortavelmente apoiada. Os joelhos devem estar em 90º e os pés apoiados no chão.

Pegar um objeto do chão: abaixe dobrando os joelhos com as costas eretas e aproxime o objeto do corpo. Ao dobrar apenas a coluna corre-se o risco de lesão e dor.

No computador: mantendo as dicas para sentar, observe também o teclado, que deve estar na mesma altura dos cotovelos. Os braços devem permanecer apoiados na mesa. Para o monitor, indica-se a altura de 20º da linha de visão e distância de cerca de 40 cm dos olhos.

Telefone e celular: segure com a mão! Nunca apóie no ombro, para não forçar - e de forma errada - as estruturas do pescoço e coluna cervical.

Levantar da cama: lembre-se de que suas costas estavam em repouso enquanto você dormia. Desta forma, vire-se de lado e impulsione o corpo com as mãos, colocando as pernas para fora da cama. Aproveite este momento para espreguiçar e alongar todas as articulações.

Dirigir: procure manter a posição do banco o mais próxima do vertical, apoiando completamente toda a extensão da coluna. Os pedais devem ficar próximos e as mãos alcançar com segurança o volante, para que não seja preciso se inclinar para frente. Os cotovelos devem estar em um pouco dobrados (em flexão) e nunca totalmente esticados

 Para finalizar, não esqueça que os exercícios físicos são ótimos aliados da saúde, ajudando a fortalecer a coluna e evitando lesões. Alongue-se sempre que ficar por muito tempo em uma mesma posição e procure um médico em caso de dor.

Fonte: Minha Vida

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Problemas na coluna: um mal reversível


Pioneira no Rio de Janeiro, a Maca de Flexão-distração automática é o método mais eficiente para o tratamento de patologias lombares .

Há três anos novas técnicas e métodos são utilizados no tratamento de dor na coluna, entre elas uma maca automática de flexão-distração, que acabou de chegar ao Rio através do Centro de Posturologia e Tratamento da Coluna Vertebral – CPTCV, em Copacabana.

Segundo o fisioterapeuta do Centro, Fábio Damião, membro fundador do Comitê de Fisioterapia Esportiva do Estado do Rio de Janeiro – COFEERJ, o equipamento, que é pioneiro na cidade, tem como objetivo proporcionar um alívio imediato nas doenças relacionadas à coluna lombar. "A mesa é, atualmente, a principal ferramenta no combate aos problemas da coluna vertebral. Quando inserido no programa de tratamento, proporciona um alivio imediato e acelera a reabilitação de quem sofre problemas na coluna, com destaque para as hérnias de disco", afirma o especialista.

De acordo com André Torres, fisioterapeuta com graduações em osteopatia e quiropraxia, o sistema de Flexão -Descompressão, desenvolvido por James Cox nos Estados Unidos e aprimorado por Eckard, é completamente indolor e de muita eficácia no combate destas enfermidades comuns. "Nesta mesa, aplica-se uma força de descompressão associada a flexão da coluna vertebral exatamente no nível a ser tratado. O paciente é colocado na maca e ajustado à uma posição antálgica para que o procedimento seja completamente indolor. Os resultados são surpreendentes e superam os 90% de eficácia principalmente nos casos de hérnia de disco", afirma Torres.

A posição incorreta e contínua ao permanecer sentado, é uma das principais causas dos problemas lombares. "Ao sentarmos realizamos a flexão do tronco gerando uma pressão sobre o disco intervertebral, o que pode gerar inúmeras lesões na coluna, degeneração dos discos vertebrais e hipertrofia dos ligamentos e principalmente hérnias de disco. Para os pacientes que buscam apenas uma correção por conta da má postura ou do uso intenso dos saltos altos, a mesa proporciona ação imediata em poucas sessões. De 80 casos, 78 conseguem obter excelência no procedimento" conclui Fábio Damião.

Principais causas dos problemas na coluna -A coluna é uma estrutura do organismo composta basicamente de ossos, músculos, ligamentos e discos invertebrais. As principais funções dos discos intervertebrais são: possibilitar o movimento da vértebra em várias direções e absorção de impacto. A falta de cuidados com a saúde da coluna pode levar o disco à degeneração e até mesmo a uma herniação.

O problema pode começar com um abaulamento discal passando, num período posterior, a uma profusão do disco o que causaria uma compressão do nervo ocasionando sintomas como dormências, formigamentos, falta de força nos braços ou pernas e dor local. Passando desta fase surge à hérnia, estágio avançado da degeneração do disco, o que aumenta todos os sintomas além de levar ao comprometimento severo da parte de movimentos (motora) e sensibilidade (somestésica) gerando dores fortíssimas.

De acordo com a Organização mundial da Saúde (OMS), cerca de 80% da população sofre, ou vai sofrer de lombalgia. Em 90% desses casos, o problema pode ser melhorado com fisioterapia aliada a mudanças de hábitos, mas nos outros 10%, os pacientes deverão passar por procedimentos cirúrgicos que podem curar e melhorar muito a qualidade de vida.

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Yoga é tratamento eficaz para pacientes com dor crônica nas costas


Aulas de yoga especializadas fornecem maneira efetiva de tratamento de pacientes com dor lombar crônica

O yoga pode ser um tratamento eficaz para pacientes que sofrem com dor lombar crônica ou recorrente. É o que revela estudo de pesquisadores da Universidade de York, no Reino Unido.

A pesquisa sugere que o tratamento alternativo com yoga durante 12 semanas é tão eficaz e mais rentável que o atendimento clínico convencional.

Os resultados sugerem ainda que a terapia reduz o período de afastamento do trabalho de 12 dias com o tratamento normal para apenas quatro dias.

"A dor nas costas representa um ônus significativo para o Sistema de saúde no Reino Unido e para a sociedade como um todo. Bem como os custos de cuidados de saúde associados, é também uma das principais causas de afastamento do trabalho que leva a uma perda de produtividade para a sociedade", afirma o pesquisador David Torgerson.

Embora o yoga tenha sido mostrado como uma intervenção eficaz para o tratamento da dor lombar crônica, até agora, havia poucas evidências sobre a sua eficácia de custo.

universityofyorkuk
Yoga é tratamento eficaz para pacientes que sofrem com dor lombar crônica.


O estudo avaliou a eficácia do yoga no tratamento da dor nas costas. O estudo envolveu dois grupos de pessoas que foram identificadas como tendo dor lombar crônica ou recorrente.

Um grupo de 156 pessoas recebeu aulas de yoga em grupo especialmente planejada para melhorar a função das costas, enquanto um segundo grupo controle de 157 pessoas recebeu apenas atendimento médico.

Eles descobriram que 12 aulas de grupo semanais, durante 12 meses, proporcionou uma intervenção custo-efetiva para o tratamento de pacientes com dor lombar crônica ou recorrente.

"Ficamos felizes em descobrir que o yoga não só ajuda as pessoas a gerir a dor nas costas, mas também é rentável, e resulta em menos dias doentes. Esperamos que mais pessoas com dor nas costas sejam encorajadas a assumir o yoga como tratamento", conclui o pesquisador Alan Silman.

Veja mais detalhes sobre esta pesquisa (em inglês).

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Dor nas costas é responsável por 13% das consultas médicas

Dor nas costas pode ser hérnia de disco Foto: Getty Images

Se você sofre com incômodos nas costas, talvez seja hora de se preocupar. De acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a dor nas costas é a terceira causa de aposentadoria e a segunda de licença ao trabalho no Brasil. Além disso, estatísticas indicam que 13% das consultas médicas envolvem dores na coluna.

O problema é muito comum  em pessoas acima de 40 anos e pode ser sintoma de hérnia de disco. "A coluna vertebral é composta de vértebras e discos intervertebrais. A hérnia de disco acontece quando estes discos, que tem a função de amortecer o impacto entre as vértebras, se rompem e comprimem as estruturas no canal vertebral, causando dor somente na coluna ou dor irradiada e formigamento para braços e pernas", explica o osteopata Gabriel Boal, da Clínica Reacciona.

Normalmente, a hérnia é mais encontrada na o lombar e na coluna cervical porque são as regiões mais flexíveis e suportam mais cargas. Isso porque, os fatores que contribuem para o desenvolvimento da doença são a postura errada, a falta de exercícios físicos, o excesso de peso e até a alimentação inadequada.

Vale lembrar que o problema ocorre com mais frequências em pessoas que exigem muito da coluna vertebral, seja no trabalho ou nas atividades diárias. A hérnia também pode ser causada por acidentes, principalmente os automobilísticos. "Ao menor sintoma de dor na coluna vertebral ou formigamento e irradiação para braços e pernas, deve-se procurar, imediatamente, um fisioterapeuta especialista em osteopatia, para melhor avaliação do problema", alerta o osteopata Felipe Yamaguchi.

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Postura adequada pode evitar dores na coluna

O cotidiano do homem moderno está tornando as dores de coluna cada vez mais frequentes. Nos Estados Unidos, a lombalgia é a causa mais comum de afastamento do trabalho e, no Brasil, é o acometimento que mais leva pacientes a centros de ortopedia e reabilitação. Pesquisas mais recentes revelam um cenário ainda mais preocupante. Hoje, acredita-se que todo indivíduo adulto terá, pelo menos, um episódio de dor lombar durante a vida. A estimativa anterior girava em torno de 80%.

O tratamento destes males e o afastamento dos trabalhadores implica em altos custos. Em razão disso, aumenta a preocupação com pesquisas de novos fármacos e novas técnicas cirúrgicas e fisioterápicas, que facilitem o atendimento e melhorem os resultados, influenciando na qualidade de vida dos pacientes.

A queixa mais comum nos consultórios é a lombalgia - termo genérico para definir dores na região lombar, que vai das últimas costelas até a região glútea. A origem do incômodo pode estar ligada a diversas estruturas - óssea, ligamentar, neurológica, articular, muscular ou discal. Isso torna o diagnóstico mais complicado.

Em relação aos problemas no disco intervertebral, como a hérnia de disco, as causas mais comuns para o seu desgaste são sedentarismo, obesidade, falta de flexibilidade, fraqueza muscular e alteração postural. Atualmente, já se fala até em predisposição genética. As atividades do dia-a-dia também influenciam na possibilidade de ter um problema discal, por exemplo, ao trabalhar o dia todo sentado ou carregando peso.

Todas as pessoas, portadoras ou não de alguma lesão, devem atentar aos movimentos e posturas que devem ser evitadas nas atividades mais comuns do dia-a-dia. Assim, é possível impedir ou diminuir dores futuras na coluna. A correta assimilação das orientações a seguir influencia inclusive no tratamento.

Começando pela postura em pé, procure manter os pés um pouco afastados, joelhos levemente flexionados e a coluna lombar com a lordose fisiológica normal. Isso significa ter a bacia levemente empinada. Manter a coluna reta e a linha do olhar direcionada para o horizonte. Caso precise pegar algum objeto abaixo da linha da cintura, não se deve inclinar o tronco para frente. A maneira correta é flexionar os joelhos, mantendo a coluna ereta. Se o objeto for pesado, contraia o abdômen. Isso gera uma pressão intra-abdominal que protege a lombar.

No caso de postura sentada, procure apoiar o peso do seu tronco sobre uma estrutura chamada tuberosidade isquiática - uma proeminência óssea localizada no meio da massa muscular da região glútea. Mantenha os joelhos e quadris em 90º de flexão e os pés totalmente apoiados no chão. A coluna deve ficar totalmente apoiada no encosto da cadeira com a lordose lombar normal (como na postura em pé). Os ombros ficam relaxados com os antebraços apoiados sobre a mesa ou apoio da cadeira. O olhar fica direcionado ao horizonte e, caso esteja à frente de um computador, mantenha a parte mais alta do monitor na altura das sobrancelhas. A postura sentada é a mais perigosa para a coluna. Por isso, evite permanecer mais de uma hora nesta posição.

A postura deitada é usualmente utilizada como uma posição de alívio. Existem duas alternativas mais recomendáveis. A primeira é de decúbito lateral (de lado), com um travesseiro que tenha a altura do seu ombro, mantendo a cabeça alinhada com o resto da coluna, que permanece ereta. As pernas devem ficar semi-flexionadas ou a de baixo esticada e a de cima apoiada sobre um travesseiro. Outra opção é em decúbito dorsal (barriga para cima) com as pernas flexionadas e apoiadas sobre alguns travesseiros. A flexão dos membros inferiores relaxa os músculos lombares e diminui a pressão sobre os discos.

No caso de indivíduos que já possuem uma lesão discal, os recursos disponíveis aos profissionais da área da saúde evoluíram muito. Tanto os fármacos ficaram mais específicos como as abordagens fisioterápicas mais eficientes. Dentro desses recursos estão o trabalho postural (conhecido como RPG), a hidroterapia (indicada em casos mais agudos) e a descompressão discal não cirúrgica. Esse último é realizado por um equipamento inovador: a DRX9000 True Non-Sirurgical Spinal Decompression SystemTM, da Axiom Worldwide, que vem demonstrando um índice de melhora altíssimo.

A soma dessas orientações posturais, com bom diagnóstico médico, trabalho fisioterápico bem orientado e a realização de atividades físicas de forma sistemática diminuem consideravelmente a possibilidade de recidiva das dores lombares, ou até mesmo a necessidade de uma intervenção mais radical como uma cirurgia.

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!

Dores na coluna durante a gravidez.

À medida que o útero aumenta de tamanho, o centro da gravidade da mulher tende a alterar-se, forçando-a a adaptar-se.Adotam então, posturas incorretas, impondo à coluna vertebral e às articulações um esforço desnecessário.O ideal nessa fase é reeducar a postura e fazer exercícios regularmente.

A coluna vertebral, que sustenta todo o corpo da mulher mantendo-o em equilíbrio é composta de pequenas vértebras e entre cada uma existe um disco esponjoso de cartilagem que atua como ''armotecedor'' de choques e impactos.

Na gestação a coluna ganha mais um trabalho, o de sustentar o peso do útero, do bebê, da placenta e do líquido amniótico. Conforme o bebê vai crescendo, a curvatura da coluna tende a aumentar para compensar o peso da barriga.A dor nas costas é um dos problemas mais comuns na gravidez. A dor geralmente ocorre entre o 5º e o 7º
mês, sendo que 19% das mulheres tiveram que se afastar do trabalho devido a esse problema. Mulheres que já apresentavam histórico de dor nas costas antes da gravidez, são candidatas de risco para sofrer da coluna.O aumento do peso é concentrado inicialmente na barriga e os músculos abdominais vão perdendo o seu tônus em razão do crescimento do útero, acarretando um aumento da lordose lombar e uma sobrecarga na parte inferior da coluna.A dor nas costas das gestantes ocorre quando elas ficam muito tempo em pé ou sentadas. Geralmente piora com os movimentos, e algumas têm dificuldade para caminhar, principalmente subir escadas.

Existem três tipos mais comuns de dor nas costas durante a gravidez:

1. DOR LOMBAR

Localizada na região inferior da coluna, pode ou não, sentir a dor irradiando para a perna, com contratura da musculatura ao longo da coluna. Piora com fato de permanecer muito tempo sentada ou em pé.È preciso salientar que esses acontecimentos são normais e preparam a gestante para o trabalho de parto.

2. DOR PÉLVICA POSTERIOR (SACRO-ILÍACA)

Quatro vezes mais freqüente do que a dor lombar, a dor que acomete a articulação entre o sacro (final da coluna que se alarga) e a bacia, chamada de articulação sacro-ilíaca. A dor estende-se para os glúteos e região posterior da coxa, não ultrapassando o joelho.A dor não desaparece rapidamente com o repouso e geralmente
persiste por um certo tempo após o nascimento da criança.20% das mulheres
apresentam tanto a dor lombar como a dor da sacro-ilíaca.

3. DOR NOTURNA

Algumas mulheres grávidas apresentam dor exclusivamente durante à noite quando deitadas.Esta dor estaria relacionada com o acúmulo de fadiga muscular no final do dia, provavelmente devido ao aumento do retorno venoso provocado pela posição deitada, pois o volume líquido no organismo aumenta bastante ( até 6,5 litros) com a
desativação de vários órgãos fazendo o sangue circular para áreas
"inflamadas" da coluna.

HÉRNIA DE DISCO
O aparecimento da hérnia de disco durante a gravidez é extremamente rara (1 em cada 10000).
Se ocorrer, um tratamento cirúrgico só poderá ser realizado após o parto, devido à necessidade da anestesia geral e pelo fato da cirurgia ser realizada em decúbito ventral, ou seja, o paciente fica de bruços. Deve-se ter um acompanhamento médico adequado, devido ao risco de parto-prematuro, principalmente se já houver
histórico anterior.

DOR DO PARTO
A dor durante o trabalho de parto é diferente, similar a uma forte cólica menstrual, persistente, aumentando de intensidade e freqüência e não sendo influenciada pela movimentação do corpo como a dor lombar.

FATORES DE RISCO PARA A DOR NA COLUNA NA GESTAÇÃO


*Mulheres que já apresentavam dor nas costas antes de engravidar
*Mulheres que já tiveram vários filhos
*Virar-se na cama
*Subir escadas
*Ficar muito tempo sentada, principalmente com o corpo inclinado para a frente (no computador) Levantar –se de uma cadeira baixa
*Sair do automóvel
*Carregar peso
*Girar ou fletir o tronco
*Relação sexual (raros os casos)
*Usar sapato de salto alto ( aumenta a lordose)
*Dirigir
*Aumento de peso > 10 kgs durante a gestação


TRATAMENTO

Os exames solicitados de rotina, para uma pessoa com dor nas costas, não podem ser realizados na gestante. Por isso, o exame clínico é fundamental. Existem alguns testes que o médico realiza para fazer o diagnóstico, pois até a radiografia está contra-indicada para a grávida.
No passado as mulheres tinham que aceitar a presença da dor nas costas, simplesmente, como parte do processo da gestação. Hoje em dia sabemos existem causas específicas com tratamentos mais específicos. O objetivo é manter uma boa função durante a gestação com o mínimo de desconforto.
A base do tratamento da gestante com dor é a informação! Ela deve saber que tais episódios de dor são passageiros, e que raramente irão atrapalhar o parto ou prejudicar o feto. Geralmente o prognóstico é bom e, através de exercícios de relaxamento realizados sob orientação do fisioterapeuta, a dor irá
passar.

Outras opções para driblar as dores são:

*Repouso de lado com um travesseiro entre as pernas
*Aplicação de gelo / calor
*Massagem
*Analgésico apropriado por períodos curtos após o terceiro mês, mas em pequenas doses e por curtos períodos
*Acupuntura após o trimestre. (De preferência um fisioterapeuta especializado)
*O uso de coletes ou cintas especiais para gestantes pode ajudar também, principalmente nos casos de dor no final do dia, pela fatiga. Um colete só deve ser usado se for receitado por um médico.
*Exercícios de relaxamento e alongamento
*Fortalecimento das estruturas musculares que sustentam o peso
*Trabalho postural / contrabalançar a lordose excessiva
*Condicionamento do modo correto de exercer as rotinas diárias
*Hidroterapia
*Yoga
*Pilates
*O uso de uma pequena almofada nas costas, durante o sentar, dirigir, e deitar pode, também, ser muito útil.
~>As manipulações ou ''colocar a coluna no lugar'' são arriscadas e totalmente contra-indicadas na grávida.


EVITAR

*Evitar carregar peso
*Evitar exercícios físicos extenuantes
*Evitar "step"
*Evitar mergulho
*Não tente tratar-se por conta própria!
*A dor nas costas pode também ser causada por algum outro motivo. Procure um médico no caso de estar tendo febre , ardência durante a micção ou sangramento vaginal.

Concluindo, a maioria das dores lombares nas gestantes pode ser facilmente aliviada com através de uma redução das atividades físicas, uso de analgésicos leves, uso de almofada ao sentar e exercícios de relaxamento.

Muitas mulheres ao engravidarem desconhecem o funcionamento interno do seu corpo. É importante a consciência do efeito das mudanças e suas alterações sobre a postura. Nesta fase uma postura correta deve ser dinâmica e vital, variando sempre com suas necessidades. Os objetos que construímos e as coisas que fazemos, fornecem uma ponte entre a nossa realidade interna e o mundo externo. Nas nossas atividades no dia-a-dia, mostramos nosso cuidado sobre como sobreviver, estar confortável, ter prazer, solucionar problemas, expressar nossa relação com os outros e o mundo mais amplo da sociedade.

1 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!