Fibromialgia e tratamento multidisciplinar







A síndrome da fibromialgia é uma constelação de sintomas crônicos, de natureza não inflamatória, com dor e desconforto, que afetam especialmente os músculos, tendões e os componentes das articulações, como os ligamentos. Uma síndrome, diferente de uma doença, é um quadro clínico que pode ser identificado, mas sua causa não é conhecida. Considerado um problema reumático durante muitos anos, vem agora recebendo atenção de neurologistas, já que muitos dos pacientes que sofrem de dores de cabeça crônicas e diárias também têm as outras dores e desconfortos dos portadores de fibromialgia vistos pelos reumatologistas já há muitos anos.

Sintomas

Entre os sintomas característicos estão os pontos onde o paciente sente dor intensa:


atrás da cabeça, na inserção dos músculos na nuca;
no trapézio,o músculo que une o ombro ao pescoço;
na origem do músculo supraespinhoso, sobre a espinha da escápula;
no quadrante superior externo do glúteo.


Ao exame físico é comum que se note retração muscular, ou dor de menor intensidade, mais ampla que a dor mais aguda. Por exemplo no topo da cabeça, na região do chapéu, ou na articulação da mandíbula. Sempre esta retração é da musculatura associada.

Doenças e sintomas associados

Porém estes pacientes têm muitos outros problemas: distúrbios de sono, confusão mental, tontura, dificuldade de concentração, distúrbios de memória, fraqueza, fadiga, distúrbios do humor, dores de coluna e cefaléia. Muitos têm associadas outras síndromes como síncope neurocardiogênica, tensão pré-menstrual, enxaqueca, dor durante o coito, bexiga irritável, cólon irritável, síndrome pós-traumática, e até a síndrome pós-implante mamário de silicone.

Na verdade, o quadro clínico se sobrepõe ao da fadiga crônica, ao da cefaléia crônica diária e ao da cefaléia tensional, conforme conhecido pelos especialistas da área. Para os pacientes as complexidades diagnósticas são maiores, e frequentemente acham que têm neuralgias, hérnias de disco, artrose de joelho ou coxo-femoral, problemas de labirinto.

A Frequência do problema

Estatísticas recentes indicam que 2% do total da população sofrem de fibromialgia. São 40.000 pessoas numa cidade de 2 milhões de habitantes. Isto torna este problema um dos mais comuns em consultórios médicos. Nas estatíticas americanas e nos consultórios curitibanos existe uma clara preponderância de mulheres com fibromialgia. São 3.4% das mulheres e 0.5% dos homens na população em geral. Possivelmente esta diferença está associada com a frequência das ansiedades e depressões na população em geral, que também é diferente entre os sexos.

A história natural da doença

Os pacientes com a síndrome da fibromialgia andam de consultório em consultório, de clínica em clínica de fisioterapia, tentando técnicas mais ou menos ortodoxas. Como a evolução natural da síndrome é crônica, os sintomas oscilam. As dores mudam de local, mais muscular em alguns casos, mais em tendão em outros. É frequente que pacientes entendam que uma melhora temporária foi causada por este ou aquele tratamento, alguma massagem, um novo colchão, um novo medicamento. Como regra geral, a melhora é sempre temporária.

Um tratamento que pode dar certo

Levando em conta a complexidade destas pessoas, cujos sintomas são físicos e mentais, neurológicos e reumatológicos, endócrinos e nutricionais, terá mais sucesso quem se especializar nestes casos. Os profissionais que aprenderem a modificar sua técnica de atendimento de acordo com as necessidades deste grupo de clientes. A prática vem mostrando que estes pacientes se congregam em torno de médicos e fisioterapeutas que tem sucesso, pelo menos parcial, em ajudá-los. Porém, são casos complicados demais para serem atendidos por só um profissional. Uma equipe multidisciplinar motivada e com experiência teórica e prática tem maior chance de sucesso. Isto já foi demonstrado em estudos realizados em outros países, com equipes formadas por fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais e médicos.

A equipe multidisciplinar da Unineuro

Composta de todos os médicos, nutricionista, fisioterapeuta e psicóloga, a equipe da UNC visa contribuir para uma análise cuidadosa de todos os casos, indicando uma rota de tratamento individualizada. Os primeiros passos são fornecer ao paciente informações básicas sobre a fibromialgia, esclarecer as várias opções de tratamento, complementar e maximizar a interação entre os profissionais da saúde e o paciente. Uma meta prioritária da nossa forma de atender estes pacientes é incentivar o desenvolvimento de técnicas mais sofisticadas de gerenciamento pessoal. Na maioria das vezes os pacientes com este tipo de patologia são sedentários e não se alimentam direito. A intenção dos profissionais da UNC é auxiliar na organização da rotina diária do paciente fazendo com que se acostume a ter uma vida mais regrada e produtiva.

O papel da nutricionista

Realiza a orientação individualizada da dieta, procurando o equilíbrio entre os nutrientes. Estimula a perda de peso quando necessária, bem como providencia orientações específicas no caso de doenças associadas como obesidade, diabetes ou hipertensão. É importante ressaltar que a pessoa precisa adquirir hábitos alimentares saudáveis. Um componente é a redução de doces, frituras e gorduras, outro é aumentar o consumo de frutas, verduras e fibras. As necessidades calóricas diferem de pessoa para pessoa, pois dependem muito do metabolismo e da atividade física. A informação a respeito das medicações que a pessoa está tomando é importante pois a interação droga-nutrientes pode influenciar no sabor de determinados alimentos, bem como na sua ingestão. A integração medicina-nutrição-fisioterapia-psicologia é fundamental para a eficácia do tratamento.

O papel da fisioterapeuta

Tem como objetivo reduzir a dor e preparar melhor a musculatura. Devido a dor generalizada e a sensação de fraqueza, o mais aconselhável é iniciar o tratamento com relaxamento, alongamentos e aparelhos que promovam analgesia e relaxamento muscular. Após algumas semanas existe uma melhora significativa da dor, que permite iniciar um trabalho de condicionamento físico e fortalecimento muscular. Respeitando o limite de dor do paciente a atividade acaba tornando-se agradável. A pessoa deve ser conscientizada de que o exercício físico é um hábito saudável que deve ser implantado em sua vida como algo permanente.

O Papel da Psicoterapeuta

A psicoterapia cognitiva comportamental é o meio de auxílio escolhido pela UNC para as pessoas que sozinhas não conseguem a integração do seu corpo e da sua mente. Para que o corpo possa estar bem, é imprescindível que a mente esteja bem. Preocupando-se consigo, com sua saúde mental e física o paciente estará, realmente, colocando em prática a busca da sua qualidade de vida. O principal objetivo é auxiliar o paciente a encontrar ferramentas suficientes para lidar com suas questões, não só durante o tratamento psicológico, como por toda sua vida. Não se pode deixar de lembrar que o tratamento psicológico somente surtirá resultado se o paciente estiver participando efetivamente desse processo.

O papel do médico

O diagnóstico da fibromialgia baseia-se em dor em vários locais, ansiedade, depressão, nos pontos de tensão e distúrbios do sono. As síndromes da fadiga crônica e articulação temporo-mandibular ainda são consideradas no diagnóstico diferencial. O médico requisita exames para descartar doenças que possam apresentar sintomas similares. Após fazer o diagnóstico, explica os mecanismos de produção dos sintomas, faz a indicação medicamentosa e encaminha à equipe multidisciplinar. Os medicamentos utilizados são analgésicos e antidepressivos. Uma participação mais ativa do médico é necessária naqueles pacientes que tem dor crônica de longa duração, e que incorporaram ao seu esquema de vida o uso continuado de medicamentos. Muitas vezes estão aditos a medicamentos, principalmente do grupo dos benzodiazepínicos. O médico tem mais trabalho nestes casos.

COMENTE ESSE POST

Compartilhe no Google +

Um comentário:

  1. Legal saber e divulgar essas informações, pois os portadores desta síndrome se acham incapazes e tendem a não procurar mais ajuda por achar que seu caso não tem jeito! Faltou colocar o papel do educador físico!!!

    abs

    www.prof-nathalia.blogspot.com

    ResponderExcluir

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!