Dicas para prevenir dores na coluna vertebral

http://www.ipueiras.ce.gov.br/novo/wp-content/uploads/9cdb074e-ff3a-40b0-8ba9-237287c50d51.jpeg

Constituída por 33 vértebras, a coluna humana é uma estrutura complexa – repleta de músculos, nervos e discos – e sensível. Tão sensível que, pelo menos uma vez na vida, 80% das pessoas em todo o mundo sofrerão de dor nas costas, elevando a dorsalgia, segunda maior causa de afastamento do trabalho, segundo estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Aliviar dores na coluna cervical, lombar e pernas:
  • CERVICAL E PESCOÇO
  • Se você trabalha diante de um computador, faça pausas para alongar e movimentar ombros e pescoço; -
  • Dirige todos os dias? Providencie um encosto de cabeça ajustável. Além disso, o banco deve estar afastado do volante o suficiente para manter os braços esticados;
  • Procure dormir de lado, com um travesseiro sob a cabeça e outro entre as pernas.

  • COLUNA LOMBAR
  • Procure fortalecer os músculos abdominais e lombares , pois sustentam a coluna;
  • Tenha cuidado ao levantar tanto da cadeira (contraia a musculatura abdominal e glúteos), quanto da cama (vire de lado antes de levantar);
  • Atenção redobrada ao erguer peso do chão: contraia a musculatura abdominal e glúteos, flexione os joelhos e faça força na perna, jamais na coluna.

  • PERNAS
  • Quem trabalha sentado deve se levantar a cada duas horas;
  • De olho na balança: quanto maior a circunferência abdominal, maior a dificuldade do sangue voltar para o coração, favorecendo o acúmulo nas pernas e causando mais dores;
  • Elevar as pernas ajuda a circulação. Com auxílio de almofadas mantenha as pernas elevadas por aproximadamente 20 minutos todos os dias.

A má postura e a dor na coluna

http://saude.culturamix.com/blog/wp-content/gallery/problemas-de-postura-caracteristicas-gerais-2/problemas-de-postura-caracteristicas-gerais-2.jpg

Um dos males da vida moderna é a má postura. O encurvamento da coluna não é apenas esteticamente feio, mas pode causar encurtamento dos músculos e, consequentemente, dor. O paciente acaba perdendo alguns movimentos e tem que fazer outros alternativos para compensar. Isso pode piorar ainda mais a postura e desenvolver lesões maiores. Quando prolongada, a postura ruim pode se tornar responsável por hérnias de disco e até osteoartrose, que é a artrose da coluna.

Uns dos principais vilões da postura são os computadores — o ideal é que eles permaneçam na altura dos olhos, mas raramente ficam na posição correta, obrigando o corpo a se curvar para se adaptar ao aparelho. Notebooks são ainda mais maléficos, uma vez que a proximidade entre a tela e o teclado impede que a coluna do usuário mantenha-se reta. Além disso, a maioria das pessoas passa quase 90% do tempo sentada, o que significa repetir a postura ruim por longos períodos. A má postura é um problema que começa na infância. Não se nasce sabendo qual é a postura ideal e não há nenhum tipo de orientação aos pequenos, que acabam crescendo e repetindo os maus hábitos.

A melhor maneira de resolver a má postura e evitar qualquer problema consequente é o RPG, sigla para Reeducação Postural Global. O exercício é, na verdade, feito por um fisioterapeuta. Enquanto o paciente fica deitado, sentado ou em pé, o profissional organiza as cadeias musculares, alonga e fortalece seus músculos, possibilitando que ele volte a ter uma postura correta. É um tratamento estático. O fisioterapeuta vai manipulando, tracionando, mas, quando é necessário um exercício mais dinâmico, para fortalecer a musculatura, o indicado é partir para o pilates. 

A maior parte do dia é gasta em duas posições: sentada ou deitada. Para evitar dores, o ideal é adotar a postura certa nas duas situações.

Para dormir: de lado, com um travesseiro entre as pernas e outro na cabeça, alto o suficiente para que ela não fique caída. Alguns profissionais recomendam ainda que o braço que fica em cima abrace outro travesseiro, para evitar rolamentos. A pior posição é de barriga para baixo — a cervical é forçada, uma vez que a cabeça tem que ficar virada para algum lado, e a lombar também sofre, já que os quadris e o abdômen são mais pesados. Algumas pessoas dormem de barriga para cima. A posição funciona desde que o travesseiro seja mais baixo e que um rolinho ou travesseiro alto mantenha os joelhos semiflexionados — assim, a coluna fica em posição neutra.

Para sentar e dirigir: o ideal é se sentar com o bumbum encostado entre o encosto e o assento da cadeira e com a coluna completamente apoiada. Se em excesso, o tempo sentado também pode fazer mal.

Kinesio Taping: uma forma de combater a dor na coluna




Para quem pratica algum tipo de atividade física, a dor localizada na coluna pode atrapalhar. Independente da causa dessa dor, como é incapacitante, altera o desempenho esportivo e irrita quem está procurando uma melhor performance.

Um dos recursos que a fisioterapia tem para tentar combater essas dores é a Kinesio taping, que é uma técnica de reabilitação projetada com a finalidade de facilitar o processo de cura natural do corpo, através de apoio e estabilidade aos músculos e articulações, sem restringir por completo a amplitude de movimento.

A loja do Quero Conteúdo, um site que dissemina conteúdo pela internet com vários blogs, tem um DVD que ensina  várias formas de fazê-lo, em várias regiões do corpo.

Dvd de Kinesio Taping - Fisioterapia

Feito por um profissional especializado, é uma técnica que tem tido bastante sucesso. Conheça e use!


Post patrocinado

Mitos e verdades sobre dor na coluna


Mitos e verdades sobre dores na coluna vertebral Bartek Zyczynski/Shutterstock

Principais mitos e verdades sobre as dores na coluna. Confira:

O sobrepeso pode causar dor nas costas: verdade
Quem está acima do peso tem mais chances de sofrer com dores nas costas, pois o excesso de peso pode comprimir a coluna e prejudicar os discos intervertebrais.

O colchão duro é o mais indicado para quem tem dor nas costas: mito
O ideal é escolher um colchão de acordo com o seu peso. O colchão bom é aquele você consegue dormir e acordar bem sem sentir dor. Se você sentir dificuldade em levantar e muita dor nas costas, procure um médico e talvez seja necessário trocar o colchão.

Apoiar o celular no ombro pode desencadear o torcicolo: verdade
Ao curvar a cabeça para apoiar o celular no ombro pode dar um mau jeito no pescoço, principalmente se a pessoa permanecer nessa posição por um longo tempo. A pessoa pode sofrer uma tensão de um lado do pescoço e provocando o torcicolo.

A dor na coluna só pode ser tratada com cirurgia: mito
Tudo vai depender do tipo de doença que afeta a coluna, em alguns casos, há necessidade do paciente se submeter ao tratamento minimante invasivo para tratar o problema, mas poucos casos, como de fratura cervical, são indicados para cirurgia.

Permanecer muito tempo em pé dá dores nas costas: verdade
Sim, ficar na mesma posição pode provocar um enrijecimento da coluna vertebral e tensão muscular, a consequência pode ser uma dor forte na região.

Dormir de barriga para cima pode dar dores nas costas: mito
As melhores posições para dormir e não sentir dor nas costas é de decúbito dorsal (deitar com a barriga voltada para cima) e lateral (para o lado esquerdo ou direito). Quem já apresenta um quadro de dor na coluna deve evitar dormir com a barriga para baixo.

Exercício físico prejudica a coluna: parcialmente verdade
Os exercícios em excesso e sem a orientação de um profissional podem interferir na saúde da coluna da vertebral, mas a ausência da atividade física também pode ser prejudicial. O ideal é não abandonar a atividade praticá-la com moderação para evitar futuros problemas.

Saiba tudo sobre as causas da Cervicalgia



Se você nunca teve uma dor no pescoço na vida, conhece quem tenha tido. Por isso, ela são tão faladas, estudadas e combatidas. Essas dores no pescoço são chamadas de cervicalgia.

As cervicalgias primárias, da qual fazem parte as desordens mecânicas, são o grupo mais incidente de dor cervical, que é decorrente da utilização excessiva de uma estrutura anatômica normal (em geral, a musculatura paravertebral) ou de um dano ou deformidade em uma estrutura anatômica (hérnia discal).

Esse tipo de cervicalgia é aumentada por certas atividades e aliviada por outras. Os fatores de melhora e de piora são úteis na localização do sítio acometido, como por exemplo, a flexão cervical levando a uma piora dos sintomas relacionados à doença discal e promovendo um alívio nas síndromes dolorosas interfacetárias. Na maioria das vezes tem curso autolimitado e os pacientes apresentam melhora completa dos sintomas.

Cervicalgia Comum ou Idiopática, t
ambém denominada de cervicalgia inespecífica, distensão muscular ou torcicolo, pode ser definida como uma dor cervical não irradiada, associada a sobrecargas mecânicas ou posturas anormais prolongadas da coluna. Caracteriza-se por dor em região cervical posterior e na área do trapézio, com restrições a mobilização ativa e passiva, além de áreas dolorosas à palpação. Quando a distensão da musculatura cervical é severa, a cabeça assume uma atitude de flexão lateral, com o queixo rodado para o lado oposto da dor.

Tem caráter mecânico, porém sem alterações precisas nos exames de imagem que lhes confira um alvo de alteração anatomopatológica nas vértebras. Acredita-se que seja uma forma anatomoclínica inicial da causas de natureza mecânico-degenerativas. Trata-se de uma condição clínica extremamente comum, que se apresenta com um espectro doloroso variável.

Sua etiologia ainda não está totalmente definida, porém pode estar relacionada a disfunções musculoligamentares secundárias a um evento traumático específico ou a uma sobrecarga mecânica repetitiva em que as condições ocupacionais podem ser determinantes.

O torcicolo também pode ser congênito estando associado a anormalidades anatômicas e neurológicas como a síndrome de Klippel-Feil, a subluxação atlantoaxial, ausência congênita de músculos cervicais, malformação de Arnold-Chiari e siringomielia.

As Alterações Discais são causas comuns de disfunção mecânica, uma vez que o disco intervertebral exerce a importante função de absorver os impactos e as pressões sofridas pela coluna. Com o seu mau funcionamento, as pressões recebidas se deslocam para outros pontos e estruturas não habilitadas, desencadeando lesões permanentes, inflamação e dor.

Obesidade é fator de risco para a coluna




Além dos males já conhecidos como diabetes e pressão alta, a obesidade também afeta a coluna vertebral
A obesidade está estreitamente relacionada ao surgimento de doenças cardíacas, diabetes e hipertensão arterial. Porém, pouco se fala dos problemas na coluna vertebral acarretados pelo excesso de peso. Responsável pela sustentação do corpo, a sobrecarga na região lombar gera processos inflamatórios e dolorosos, com desgastes que favorecem o aparecimento da hérnia de disco, entre outras doenças. Segundo o neurocirurgião de coluna Alexandre Reis Elias, "o fato pode ser comprovado pelo aumento do número de pacientes com sobrepeso e obesidade nos consultórios médicos", justifica.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) já alertou para o aumento do número de pessoas obesas no país, incluindo crianças. A obesidade é um dos principais fatores de risco evitáveis para uma série de males, o que inclui as da coluna vertebral, particularmente, a dor na coluna lombar. Ainda segundo a OMS, a obesidade causa a morte de 2,8 milhões de pessoas por ano no mundo e 12% da população está acima do peso. No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, 51% da população está acima do peso.

Entre as consequências do sobrepeso estão a degeneração e o desgaste do disco vertebral, que pode gerar lombalgia – dor na coluna – e o desenvolvimento de hérnia de disco, caracterizados pela sobrecarga na musculatura e na parte óssea.

Em geral, de acordo com o especialista, quando diagnosticados precocemente, os casos mais simples podem ser tratados com remédios anti-inflamatórios, fisioterapia e ajuda de terapias corporais complementares. "Mas nada será efetivo no longo prazo se não forem alterados os hábitos e controlado o peso", diz Alexandre Elias.

O torcicolo congênito


http://cdn.mundodastribos.com/652851-O-diagn%C3%B3stico-do-torcicolo-cong%C3%AAnito-ocorre-nas-primeiras-semanas-de-vida.-Foto-divulga%C3%A7%C3%A3o.jpg

O torcicolo congênito caracteriza-se por uma retração unilateral do esternocleidomastóideo que ocasionará um mau colocamento da cabeça em flexão, inclinação lateral e rotação do lado oposto à retratação, devido a má posição da cabeça pode ocorrer um desconforto ocular em virtude do desequilíbrio dos músculos extra-oculares.

Após ter eliminado o torcicolo ligado a uma má formação osteoarticular, será preciso distinguir dois tipos de torcicolo no recém-nascido:

1. O verdadeiro torcicolo muscular congênito deve-se provavelmente a um mau posicionamento uterino (compressão e isquemia muscular) onde o desvio característico da cabeça estará freqüentemente associado a uma assimetria facial e mesmo do crânio. Existirá, então, uma verdadeira distrofia do esternocleidomastóideo, e será detectada rapidamente após o nascimento. O tratamento conservador poderá ser efetuado diretamente, mas quase sempre a cirurgia será necessária.

2. O torcicolo do bebé caracteriza-se pela presença, no músculo esternocleidomastoidiano, de uma tumefação de forma ovóide a nível de 1/3 inferior. Este tumor aumentará até o segundo mês, e depois será absorvido, podendo a posição da cabeça corrigir-se sozinho, mas podendo também se definir e agravar. Uma retração do trapézio superior pode vir associada.

O tratamento pode ser conservada e cirúrgica. No conservador recorrerá sobretudo à cinesioterapia e ao cuidado de posicionamento. E no cirúrgico, consistirá numa secção alargada do músculo que ocorrerá a partir de um ano e meio a dois anos. O recurso será a cinesioterapia intensiva, pós-operatória.


Tratamento fisioterápico

No tratamento pré-operatório podemos fazer massagem flexibilizante + termoterapia; mobilização passiva suave e estiramento no sentido correto;
movimentos ativos; correção da postura noturna e após a mobilização, num aparelho gessado; tonificação analítica dos músculos corrigidos a de formação;
educação da postura.

Devemos também orientar aos pais para mudar a criança regularmente de posição e evitar as posições agravantes.

No tratamento pós-operatório, a assimilação dos exercícios será melhor e o tratamento mais rápido e eficaz. Após a retirada do aparelho gessado em supercorreção será feita: massagem cicatricial; mobilização passiva, suave e progressiva várias vezes ao dia em todos os eixos; mobilização ativa no sentido corretor sem, e depois com resistência. Para os mais novos indicamos jogos e solicitações diversas e para os mais velhos indicamos: participação voluntária e mais analítica. Reequilibrar toda a musculatura pericervical; reeducação da assimetria facial; ensinar os movimentos, posição, situações que ajudam a solicitação do pescoço no sentido corretor.

A reeducação e longa e dura aproximadamente dez meses, diária e depois três vezes por semana.

Dica de Livro: Fisioterapia nas lesões da coluna

FISIOTERAPIA NAS LESOES DA COLUNA

Saiba mais sobre esse livro

Fisioterapia nas lesões da coluna é livro originado no Grupo de afecções da coluna vertebral do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. O livro contém informações objetivas e pontuais, tendo por base a longa xperiencia cientifica e assistencial dos fisioterapeutas da Santa Casa e dos professores convidados.

Detalhes do Produto

  • Origem:  NACIONAL
  • Editora:  ATHENEU EDITORA
  • Idioma:  PORTUGUÊS
  • Edição:  1
  • Ano:  2014
  • País de Produção: BRASIL
  • Código de Barras:  9788538805045
  • ISBN:  8538805045
  • Encadernação:  ENCADERNADO
  • Altura: 25,00 cm
  • Largura: 17,50 cm
  • Comprimento: 2,00 cm
  • Peso: 01,45 kg
  • Complemento:  NENHUM
  • Nº de Páginas:  112
Saiba mais sobre esse livro